Este site foi concebido para ser visto num browser dentro dos limites da caducidade: infelizmente não é o caso do seu. Assim, a sua experiência de navegação será seriamente afectada. Sugerimos a instalação de um browser mais séc. XXI, se lhe for possível: http://www.mozilla.com/firefox . Mas qualquer outro serve.

Rititi

Rititi

INÍCIO

  • que bonito que e o nosso portugal agora

    Que bonito que é o nosso Portugal, agora que temos autóstradas prontinhas para ir a ver o Óro e uma ponte sobre o Mondego com nome de santa e que só custou 75 milhoes de euros e políticos que se insultam a toque de “senhor careca” e espancamento conjugal com a bençao da igreja e pedófilos em casa a descansar dos pés e tá tudo bem, pá, que no nosso jardim à beira mar plantado tudo se desculpa, as coisas acontecem porque somos assim, mal fodidos pela saudade histórica e a nostalgia genética, como se a vida fosse esse fado lento e triste, como se o caminho já estivesse escrito a tinta permante pelo D. Sebastiao antes de fugir para sempre nas terras do eixo do mal.

    Vai uma bicazinha, obrigada, que a vidinha cá continua entre telenovelas e as contas por pagar e o ordenado que nao chega e os putos no colégio privado para ver se vao longe na vida à base de cheques carecas e carrinhas audis, que a gente é pobre mas nao parece e que dirá o presidente do nosso condomínio privado, com a piscina que nunca usaremos, mas que fica bem para contar no colombo ao domingo, duas horas à frente do café e da agua das pedras, fashfavor menina.

    E tudo vale, neste nosso cantinho, afinal até cá vem o Maiquel Douglas, aquele dos Beatles e o Rock in Rio, “bem-vindos” sejais todos, ilusoes do mundo civilizado, nao vá ser que Scolari ainda faça merda da grossa e nos dê para a depressao geral, nós que demos a volta ao mundo, que criámos a bunda, as cartas maritimas e o desemprego congénito, que nos aconteceu?

    Ó Portugal, Portugal, do que é que estás à espera, pois bem, estamos à espera de sermos comprados por uma multinacional estrangeira que nos pague as dívidas, que nos arrume a casa, que nao nos obrigue a questionar a nossa preguiça histórica, a levantar o cu da nossa mediocridade regional, dos apitos dourados e das felgueiras mediáticas.

    Portugal, acorda do desenrascanço, da mulher de saia travada que nao acha, que nao diz asneiras, dos cornos nas idas às putas que fazem o que a esposa nao deve, acorda, caralho, do provincianismo sexual, do melhor está lá fora e as espanholas todas ordinárias, mas que bonito que é o cortinglés de badajoz. Acorda, que a mim doi-me a alma de ter ver sempre violado pelo tribunal de contas e pelas descaradas contas nos offshores em nome do governo.

    Portugal, de nome gasto, acorda, pá.



    Por Rititi @ 2004/05/31 | Sem comentários »


    querido blogue sendo eu esta

    Querido Blogue,

    Sendo eu esta comprometida socióloga da vida, ando sempre atenta às modas, aos desejos do povo, às questoes que inquientam a malta em geral e o mulherame em particular. É que nestes dias de confusoes e filmes de gladiadores e helenos, o meu eu mais interior sente-se intrigado.

    Que levará as mulheres a desejarem gajos de saias? Estará a fabulosa levi’s a perder mercado face ao poder sexual do kilt? Ou nao estaremos a entrar num outro período neo-clássico, desta vez por motivos mais hollywoodescos que filosóficos? Este renovado interesse pelo Great Alexander nao terá mais a ver com as pernas esbeltas do Leo di Caprio que com as proezas militares do rei? Quero uma resposta, por Zeus!

    Já agora, quem eram esses gajos de peito depilado e assassinos em série que tanta paixoes levantaram entre a comunidade gay per secula seculorum? Conhecemos realmente esses Super-Heróis inspiradores de livros infumáveis, estátuas com pilocas diminutas, tipos com vidas cheias de lutas titânicas, medusas histéricas, mulheres ciumentas e a sua boa dose de panasquice?

    I – HERCULES – O verdadeiro artista.

    Caso típico: um bastardo (de Zeus, mas bastardo na mesma) que para ser aceite na olímpica mansao celestial se desunha a matar hidras, javalís, touros e até caes do inferno! Um frouxo auténtico, sempre a levar nos cornos da madrastra Hera, que tanto lhe fodeu a cabeça que o levou a matar mulher e filhos. Lindo! Quando finalmente encontra uma mulher que lhe coce a alma, a ordinária nao faz outra coisa e tira-lhe a tosse com um manto mortal! Nao sabemos porquê, acabou como deus casado com uma Hebe qualquer do Olimpo. Deve ter sido pela tristeza de vida terrenal, coitado.

    II – JASAO – O homem do Tosao.

    Com o seu sempre simpático amigo Hércules, alugaram o veleiro “Argos” para dar umas voltinhas no Egeo e, já agora, comprar uma la de ouro, da marca Tosao, que estava muito na moda na época e que dava para fazer umas saias lindas. Apaixona-se por Medeia, filha do Presidente da Camara de uma ilha e vivem felizes para sempre até que o anormal (talvez pelo tesao) poe os cornos à mulher com a boazona da freguesia. A Medeia, que nesse dia se tinha esquecido de tomar a medicaçao para a psicose-homicida, nao gostou muito da ideia de ser trocada por uma virgem e nao vai mais longe: toma lá de matar a “outra”, que já estava vestida de noiva e maquilhada para a grande boda. Já que estava com a mao na massa, degolou os próprios filhos, que eram uns chatos que se fartavam e só pediam dinheiro para drogas. O Jasao, com medo de ser entrevistado pela TVI grega, fugiu e nunca mais se soube dele.

    III – AQUILES – O calcanhar prodigioso

    A mae dele queria ter menina, mas nasceu-lhe um pirilau com febre homicida. Mesmo assim, aproveitou a infância do rapaz para o vestir com folhos e lacinhos. Depois admirou-se Homero que em plena guerra de Troia o Aquiles fízesse uma birra titânica quando o seu amante Pátroclo foi degolado, quando toda a gente sabe que os paneleiros têm muito mau feitio. Acabou os dia com uma seta enfiada no calcanhar: ninguem lhe mandou usar chinelos numa batalha daquelas!

    IV – ULISSES – O Corno.

    O que é que se pode esperar de um gajo que foi educado por um Centauro? Só ideias tristes. Acabadinho de casar com a Penélope, foi comprar tabaco e só voltou trinta anos depois. Como qualquer machista que se preze, em vez de pedir desculpas à mulher, que passou esse tempo todo a tricotar a colcha da cama de casal, o sacana ainda tem a lata de montar uma cena de cíumes tao grande que até deu um livro, tal foi a carnificina que montou ao ver tanto gajo à porta do quarto da mulher. Afinal, fez figura de urso e perfilhou um puto que a Penélope dizia ser filho dele. Sonso.



    Por Rititi @ 2004/05/28 | Sem comentários »


    querido blogue uma vez ultrapassado o

    Querido Blogue,

    Uma vez ultrapassado o trauma da boda, dos vestidos bordados em ouro, da transformaçao de Madrid numa Jerusalém blindada, enfim, de volta à realidade citatina e chuvosa, eu cá me reencontro com os meus eternos traumas civilizacionais.

    Porque uma coisa é ter a ¡Hola! como bíblia sociológica e outra cair na futilidade espiritual. Cada um com a sua paranoia, e talvez porque a semana se apresenta televisivamente medonha sinto-me mística, elevada, tipo Santa Teresa de Jesús, mas sem visoes apocalípticas. Deve ser da falta de psicotrópicos, de certeza.

    Assim que com esta espiritualidade urbana e renovada enfrento a nao-chegada do cabrao do verao, com os olhos postos no verdadeiro problema do mundo: a falta de fé.

    Quais alcaedos, quais fotos do iraque, quais problemas orçamentais! O mal desta sociedade espectáculo-dependente está na falta de um sentimento religioso verdadeiro. Que saudades desse antigamente do interior profundo, quando tudo se resolvia à base de parlapié no confessionário. Bateste na vaca da tua mulher? Duas avemarías-puríssima-sem-pecado-concebida e lá ia o TóMané todo contente da vida, convencido da sabedoria infinita do sinhor, pásdastantas, só cá estamos dois dias, nao vale a pena andar com grandes dilemas de consciência. Ó senhor padre, tive pensamentos impuros, ai sim, filha? conta lá e alegra-me o dia e o ouvido, que isto anda pobre de meninos, e vai lavar essa boca porca em agua benta, sua ordinária, e já podes ir de joelhos à eremita da aldeia redimir os teus pecados.

    Agora, com tanto nihilismo ocidental, com tanto questionamento das básicas regras de comportamento europeo, sou confrontada com novas perspectivas religiosas e eu, por ser de Estremoz e tipicamente conservadora, sinto-me orfa de espírito. O meu amor, ao ver-me assim tao desolada, anima-me comprando dêvêdês do sexo e a cidade, mas a mim, misticamente, nao me chega.

    Porque, como vou eu encarar o duro dia a dia se a unica referência trascedental que é admitida pelos esquerdalhos anticlericais é o Paulo Coelho? Como posso sobreviver neste vale de lágrimas, se mataram a virgem, a cruz e os sinos das igrejas? Devo converter-me ao budismo, essa treta ecologista? Ou talvez tenha que a alinhar os shakras e respirar como se fosse parir um elefante? Faço de conta que sou fixolas e compro livros de auto-ajuda para fumadoras grávidas no Extra da esquina? Ou dedico os meus tempos livres ao yoga mental e à posiçao do gato cagao?

    Mal devemos andar, pá, se agora, por vergonha de nós próprios, precisamos de nos agarrar a estas religiosidades flutuantes para alcançar uma certa paz mística.

    Porra, onde será que meti o tabaco?



    Por Rititi @ 2004/05/25 | Sem comentários »


    querido blogue deus e republicano so

    Querido Blogue,

    Deus é republicano, só pode, depois de ter empapado o passeio triunfante da arribista Letizia, coitada, quatro metros de cauda pertegaz para isto, enchovalhada em directo para 1.300 milhoes de audiência inter-planetária. Até a Mette-Gaija teve mais glamour, com o bastardo loiro do camelo atrás do cortejo nupcial, cantarolando o hino noruegués. Porque para quê enganar-nos: que Boda mais seca, mais triste, mais deslavadinha, tao bem dosificada em doses cavalares de xanax. Eu, que me levantei às nove da matina para assistir ao sempre agradecido beicinho régio, à lágrima da noiva, à histeria do povao, que desilisao mais pequeno-burguesa, que coitus interruptus pá plebe.

    Porque eu sou do povo, sensível aos vestidos da realeza sem trono e da aristocracia com cheirinho a naftalina, até à péssima performance da nossa Mª José Ritta, que só por causa do chapéu nao a deixaram sentar-se na mesa dos noivos.

    Eu, que sonhava com o apaixonado linguado nupcial na janela de palácio desde a mais tenra idade, vai daí e pimba, toma lá de beijinho na face: que gande disparate! Mas o gajo é panilas? Tanta medalhinha ao peito deve ter-lhe atrofiado a líbido principesca. E essa foto de familia, agarradinho à mao da royal mother? Olha que nao é com ela que tens que procriar, ó Felipe!

    Claro que depois de quatro garrafas de Möet-Chandon e alguns unzinhos prácticos e bem aviados, o visionamento do histórico bodorrio transformou-se num espécie de jogo da bola, com apitos à Mrs Ansar por gorda, feia, mal-vestida e falta de vergonha, aplausos calurosos para rainha da Givenchy, sorry, da Jordania, impropérios vários às mamas da princesa sueca e um suspiro sincero do Pinheiro ao ver a beleza madura de Mrs Zapatero. É que o meu amor mais lindo sempre teve uma debilidade pelas cotas de esquerda e de salto raso, quéquesádefazer. Claro, que para top total da festarola, a avó taxista-consorte, representando a máfia calabresa de óculos escuros.

    Para consumo das massas, ficam o rictus facial da Letizia, que mais parecia que ia ser lobotomizada, o quadro andante de Goya que é a Duquesa de Alba, as lágrimas que ninguem chorou, a Cantata 69 de Bach, a ressaca do rei e os snipers à cata de terroristas islâmicos nos telhados do Palácio.

    No somos nadie, mas eu cá me entretenho com o acenar de braços régios e passeios em rolls-royce dos principes passados por agua e de tao republicana e boa pessoa que sou aproveitei e, já que estavam à mao de semear, dei uma saltadela à Basílica e gritei desalmadamente Vivós noivos, pá, que eu também me casei e sei o que é ter a plebe a aplaudir o amor eterno.

    Que pena que Portugal seja uma Republica. Que chatos, com o que anima uma boda destas ao pessoal.



    Por Rititi @ 2004/05/24 | Sem comentários »


    gajedo patrio tamos feitas ao bife

    Gajedo pátrio, tamos feitas ao bife.

    Daqui a menos de um mês começa o maior espremedor mediático de cérebros: o Óro 2004. Estaremos preparadas para tamanha lobotomía televisiva? Programas pré e pós-encontros, penaltis repetidos até a exaustao, corners e fora de jogos (esse dogma de fé), enfim, masturbaçoes futbolísticas várias para as quais a nossa feminina sensibilidade nao está preparada.

    Portanter, dada a inevitabilidade da coisa, mulherio, vamos lá encontrar a parte positiva: os jogadores. Porque bem vista a cena, 22 gajos suados, de calçaozinho a marcar rabos e nao só, desportistas de elite com os musculos bem marcadinhos, enfim, que um jogo da bola nao é tortura nenhuma para os nossos olhos.

    Aqui começa a primeira série de SEX SIMBOLS DA BOLA (porque nós merecemos)

    Namber uane: Figo, o Garanhao do Barreiro.

    Tá bem, nao fosse ele o multi-milionário que é, o eterno salvador da nefasta selecçao portuguesa, se nao servisse de ejemplo de vida para os jovenzinhos de Alfornelos, este homem em vez de casado com a boazona da sueca estaria ajuntado com uma Isaura qualquer no te-dois com garagem em Santo António dos Cavaleiros. Coisas da vida e da cóltura pop, o gajo é um mito sexual. Pelos no peito, cara de bruto, um portunhol aparvalhado, paciência, a gente gosta dele assim, velhadas e carrancudo.

    Namber tú: David Beckham, palavras para quê.

    Como se puede estar tan bueno, por Dios?? O sorriso, os abdominais mais bem conseguidos na história da bola, esse rabo, todo o David é perfeito para preencher as fantasias eróticas do mulherame planetário. No comments, fico-me com o vídeo da sesta.

    Namber trí: Zinedine Zidane, assim era Apolo.

    O Deus grego voltou à terra e as gajas agradecem. Com esse olhar que te atravessa a alma suburbana, ai, arrepio-me toda. Se os argelinos em vez de se rebentarem pela Europa fora se dedicassem à propagaçao da beleza musulmana o mundo seria um lugar melhor, poisé.

    Namber for: Fredrik Ljungberg, o sueco metido nos boxers da CK

    Durante dois meses fez-me feliz. Ali estava ele, à porta do metro, todos as manhas de inverno, a desejar-me de perna aberta, só de boxers à minha espera. Nunca trabalhei tanto e tao contente na minha vida. Depois foi-se embora e nunca mais encarei o meu trabuco com aquele entusiasmo.

    Namber faive: Bufón, o guardarredes com tomates

    Ah macho!!! Isto é o homem latino, testosterona pura ao pontapé. Só para as que gostam de força bruta enfiada no melhor equipamento do europeo.



    Por Rititi @ 2004/05/21 | Sem comentários »


    sempre o mesmo erro fatal mes de maio

    Sempre o mesmo erro fatal: mês de maio, mulher esbranquiçada, por depilar e com mais de cinquenta e cinco quilos tenta à força toda renovar o armário de verao numa loja para adolescentes bulímicas. Resultado standart: acabar deprimida no bar mais próximo a emborcar imperiais e a alarvar batatas fritas ranhosas. Mini-Saia 0 – Barriga Cervejeira 1.

    Esta é a história das minhas primaveras, e nao há bequegraunde intelectual que possa evitar a constataçao da mais dura das realidades urbanas: a roupa que vendem ao gajedo pobre é a que encolhe nas máquinas de lavar das fábricas de roupa rica. Que me expliquem, entao, por que conspiratória razao os topes vao encolhendo de ano a ano. Comprar um vestido decotado transformou-se numa aventura épica para as pré trintontonas, qual Troia qual carapuça, as aventuras de Aquiles pinates para mim.

    Queridos génios da moda para consumo rápido: as gajas temos mamas! O que é suposto fazermos com elas para nos vestirmos à moda? Amputá-las? Tanto odeiam as mulheres para fabricarem estes trapos investíveis e reduzidos à mínima expressao da estética? A mamoca é necessária para a alimentaçao da espécie, meus anormais!

    Por nao falar do cú, sempre desprezado pelos gurús do estaile e do salto porno chic! Peramordedeuze, a misoginia aplicada ao mundo do pret-a-porter, era o que nos faltava!

    Cá por mim que há câmaras escondidas nos vestuários das lojas para me verem nas mesmas tristes figuras ano após ano: encolher a barriga frente ao espelho, encher o peito, olhar mil vezes para o rabo e notar como a puta da celulite já se nota através do minúsculo vestido branco, tamanho eme, que por cojones tem que caber nem que me esmerde contra as paredes da loja. Que crueldade, lembrarem-me assim do passo do tempo!!!

    Porque é isso, bem-vinda à merda da maturidade, nao é que a roupa encolha, filha, tu estás a aumentar gradualmente. Já me vejo aos quarentas e muitos, de anca bamboleante, peitos de matrona e com o rabo a desencaixar-se do resto do meu corpo parideiro.

    Espero nunca perder aquelas fotos de bikini com 18 anitos! Ai, o corpo que passa e nao volta mais…



    Por Rititi @ 2004/05/19 | Sem comentários »


    querido blogue e triste ser pobre mas

    Querido Blogue

    É triste ser pobre, mas mais triste é sabê-lo e ter que viver assim, sem glamour e sapatos Manolo Blahnik. Tudo isto, caro blogue, porque eu queria tanto ser convidada para uma boda real, estar rodeada de principes herdeiros, de coches e joias caras. Só para pela experiência de vida, porque cá para nós, um casamento cheio de coroas de diamamtes deve ser tao seca como uma tarde passada com o Daniel Sampaio. É o que dá pertencer à classe média: muito sentido de humor e nada do ridículo e já me estou a ver a mim, a ser expulsa ao pontapé do royal palace por drogada e desavergonhada.

    Assim que, enquanto este uiquende no Reino da Dinamarca se dava a maior concentraçao mundial de sangue azul e galoes dinásticos, Mr and Mrs Pinheiro foram celebrar a sua pequeno-burguesia na cidade mais anti-taurina e francesa do estado espanhol: Barcelona city, a capital cultural do pós modernismo musical.

    Tudo o que é suposto ser ine no mundo da cóltura século vinte e três, chungachunga, está em BCN, tomem lá penteados escadeados na vertente punkódepressiva, sensaçoes digitais e em três dimensoes, pró-bichismo e antiglobalizaçao sponsorizada pelo Forum 2004, essa grande feira de souvenirs do terceiro mundo. E eu que achava que para ser fixe bastava ser boa pessoa! Que incrédula, que imperialista pró americana, que defensora da tortura do animal, que suburbana rasca, que dependente do ordenadeco pago pela banca malvada!

    Mas mesmo sendo uma reconhecida analfabeta musical, lá arrastei os meus calos doridos à melhor festa de Barcelona. Obrigada, meus queridos Monios pá Cabeça, eu vos adoro, obrigada pues, por me terem metido à socapa no barco do grupo mais genial à face da terra. Sim, sim, porque eu, a amante dos filmes da Barbra Streisand, estive no 25º aniversário da Fura dels Baus!!! Tomem lá, voceses todos os espertinhos do mundo!

    E sabeide também que os gajos que escandalizam a classe média occidental com as performances mais gore-sexuais do mundo-show, esses senhores estao cotas, têm filhos adolescentes, e preferem passar uma noite a dançar James Brown com a familia a mutilarem-se os mamilos e sobrancelhas.

    E claro, o meu ego burguês saltitando de alegria e de vinho tinto, que as bebidas eram grátis e eu nao digo nunca que nao a um Rioja num copo de plástico.

    Já sabia eu que tanta modernidade afinal nao servia para nada!



    Por Rititi @ 2004/05/17 | Sem comentários »


    letizia ou insustentavel leveza da

    Letizia, ou a insustentável leveza da anoréctica de classe média

    Querida Letizia,

    Nao podes imaginar a cooooontidade de gentinha pobre que me pede para escrever sobre ti, a gata borralheira dos telejornais, a sopeira que virou capa de revista de dentista. E eu, que até sou genéticamente republicana, que nao escrevo, nao e nao, mas é mentira, eu sou super mega faaaa das tuas madeixas loiras, sabes? E esse nariz? Amo imenso, tem é cuidado para nao adormeceres com a cabeça para a frente, ou morrerás com a penca espetada no estrernao!

    Quem me dera ser assim como tu, protagonista da vida da Lady Di, também ela anorécticazinha mas sem ESSE vício de que toda a gente fala. Querida, a adicçao aos laxantes é uma coisa do mais asquerosa, sem style nenhum. Nao estás a ver a Carolina do Mónaco, vestida a rigor de Chanel, a cagar-se toda no Palácio da Ópera, assim, entre ballet russo e uma sova do principesco marido, pois nao?

    Mas claro, as tuas influências monárquicas sao do pior: a da Suécia, que se vomita pelos cantos do Parlamento Europeu, a outra norueguesa, coitada, cheia de complexos de gente pobre e agarradinha da cabeça. E a da Holanda, corrore, a essa vaca nazi-argentina, quem lhe compra os vestidos?

    Enfim, nao admira que assim nunca sejas a Presidente do Clube das Coroas Subsidiadas pelos MEUS impostos, que digo-te já, nao me importo nada de pagar, sempre que mudes imediatamente de fundo de armário. Esse fato do enterro de estado, de suicidio! E essas malas, querida, queima-as junto com a saia rodada que usaste no Congresso! Aproveito e dou-te o numero da minha querida cabeleireira.

    A inveja é coisa porca, e eu por acaso até cheiro um bocado mal hoje, mas filha, há coisas que até a MIM me chocam.

    Que todos os Ortiz sejam o honroso exemplo da classe média española trabalhadeira e sem complexos, que a tua mae sindicalista tenha sido apanhada a copiar (há dois meses) num teste de enfermagem, que o teu cunhado pintor venda exclusivas à Hola! sem ter vendido nunca uma merda de um quadro, pontos, a gente ainda engole por amor às revistas do curasón.

    Mas que obrigues o coitado do Felipito Borbón (Borbón, querida, e nao Sanchez), enfim, que arrastes o futuro REI das Españas ao casório chunga, pobre e suburbano da foleira da tua prima em terceiro grau, ó filha, tem mas é juízo.

    Assim andava o coitado, a fugir dos teus tios bezanas e descamisados que à força toda o obrigaram a comer cinco pratos de gambas congeladas, al príncipe que no le falte de ná! Mas tá tudo maluco?

    Mas eu vou estar aí no dia 22, frente à têbê, Leticia! Leticia! Já agora, obrigada por te casares no dia de Santa Rita, a Santa dos Impossíveis! Eu cá encomendava-me a ela que pelo ódio que a malta te tem mais vale que andes divinamente protegida!

    Jocas,

    Rititi



    Por Rititi @ 2004/05/13 | Sem comentários »


    madrid noutro 11 maio

    Madrid, noutro 11 M(aio).

    Escravizada a formacoes de empresa, submtida a aulas de seculo vintiún, dou comigo sem tempo e sem um teclado como deve ser. Valem-me poemas como este para me lembrar como é bom viver em Madrid. Um dia destes despeco-me e dedico-me a financiar musicos de metro.

    “Allá donde se cruzan los caminos,

    donde el mar no se puede concebir,

    donde regresa siempre el fugitivo,

    pongamos que hablo de Madrid.

    Donde el deseo viaja en ascensores,

    un agujero queda para mí,

    que me dejo la vida en sus rincones,

    pongamos que hablo de Madrid.

    Las niñas ya no quieren ser princesas,

    y a los niños les da por perseguir

    el mar dentro de un vaso de ginebra,

    pongamos que hablo de Madrid.

    Los pájaros visitan al psiquiatra,

    las estrellas se olvidan de salir,

    la muerte viaja en ambulancias blancas,

    pongamos que hablo de Madrid.

    El sol es una estufa de butano,

    la vida un metro a punto de partir,

    hay una jeringuilla en el lavabo,

    pongamos que hablo de Madrid.

    Cuando la muerte venga a visitarme,

    que me lleven al sur donde nací,

    aquí no queda sitio para nadie,

    pongamos que hablo de Madrid”

    Jaoquim Sabina



    Por Rititi @ 2004/05/11 | Sem comentários »


    so faltam 2 semanas pa boda real

    Só faltam 2 semanas pá Boda Real!!! Meudeuse, que nervos!!!

    Porque eu emociono-me com os casamentos, que remédio, gaja que é gaja sonha no escuro da noite com a valsa, o véu e a liga azul. (Agora que me lembro da merda da liga, sempre a cair, pendurada no sapatinho branco, e o meu pai, tao querido, a dizer-me, ó filha caga pra isso que o padre ainda se mija a rir se te vê nesses impropérios a caminho do altar.)

    Sou assim de sensível à celebraçao do matrimónio, pena que o meu amor nao seja muito dado a reediçoes, senao já me estava eu a ver, outra vez na noite de núpcias, espera um bocadinho, marido, que eu vou só vestir a combinaçao de rendas e sedas chinesas e vais tu ver o que é a mística matrimonial. Claro que quando se têm cento e cinquenta ganchos no cabelo e uma bezana bíblica às oito da manha, nao há mito erótico que resista e lá estava eu, finalmente sem a liga, na casa de banho, ó amore, anda cá ajudar-me a desfazer o penteado! Vale-me que temos toda uma vida pela frente, o que faz a esperança no amor eterno.

    Que a sociedade das quotas e o caneco nao nos tire às mulheres o direito constitucional a sermos rainha por um dia, a mais linda, a da mística radiante, a que tem o boneco em cima do bolo. Que se mantenha por muitos anos o mito e o dinheiro no envelope branco.

    E a Letizia, sabedora dos seus direitos melhor que ninguem, nao só exige ser reina por un día, a muito garganeira quer ser rainha for ever, mas sem vestido, porque sendo as monarquias tao exageradas, deve ter uma cauda de trinta metros, que nao dá jeito nenhum para ir esquiar a Baqueira com o seu blue prince.

    E lá estarei eu (e mais mil milhoes de gajos all over da world) a vê-la passear-se entre as casas reais, tomem lá classe média aos empurroes para nao se armarem em cagoes, tanto sangue azul blablabla, e cá estou eu mais a minha mae sindicalista. Isto é o que chamo a verdadeira vitória dos trabalhadores e nao os convénios laborais e as baixas por maternidade.

    Bem, tudo isto se conseguir estar quietinha durante a boda, que desbocada como é ainda manda calar o coro e poe o avô taxista a cantar uma cançao tipica de Alicante. Coitada.



    Por Rititi @ 2004/05/06 | Sem comentários »