Este site foi concebido para ser visto num browser dentro dos limites da caducidade: infelizmente não é o caso do seu. Assim, a sua experiência de navegação será seriamente afectada. Sugerimos a instalação de um browser mais séc. XXI, se lhe for possível: http://www.mozilla.com/firefox . Mas qualquer outro serve.

Rititi

Rititi

INÍCIO

  • de ferias em territorio lusitano que

    (De férias em território lusitano, que decepção de gente)

    Quando um país deposita as esperanças de um futuro melhor num grupo de onze gajos suados e de calção curto dá no que toda a gente viu sábado: merda de grossa. Que indivíduos mais egoístas esses os da selecção, tontos atrás de uma bola com pretensões marítimas e, com a desculpa do nervo miudinho e cagão, incapazes de dar uma merecida alegria a este povo farto de impostos e auto-estradas da brisa. Nervosos? Nervosa estaria eu, que não me pagam dez mil contos ao mês para acertar numa baliza e fazer anúncios de telemóveis. Agora estes gajos… Não há pachorra, pá, para tão pouca vergonha e falta de civismo.

    Ainda bem que o português é esse paz d’alma, expectante observador do nevoeiro, bom bebedor e simpático patriótico, que depois da cagada pátria e via satélite só mereciam que lhes enfiassem as bandeiras lusas pelo cu acima.

    Se o Scolari se deixasse de tanto 4-5-2, tanto ponta de lança e de madeixas do parolo do Cristiano Ronaldo, se ouvisse as ideias dos adeptos que se concentravam em Alcântara na triste tarde de sábado, enfim, ganharíamos não só o Oro, como os campeonatos mundiais de críquete. A saber:

    – Naturalizar rapidamente o guarda-redes grego. E já que estávamos com a mão na massa, o Zidane, o Becks, o Raul e a equipa do FCP

    – Dar utilidade à mulher do Figo e pô-la a jogar sem soutien nos próximos encontros. Se marcava golo, tirava a t-shirt.

    – Pagar em sexo aos árbitros, que nestas terras temos de tudo, para alguma coisa nos serviu termos importando escravos de meio mundo.

    Mas não, foram os nervos, senhor, foram os nervos. Tudo de joelhos já a caminho de Fátima, implorar não o perdão de Deus, mas de uma pátria sequinha de êxitos feitos por nós e não importados à pala de Rock in Rio e disparates pagos pelo trabalhador dependente.

    Olha, vale-nos a Bica e a sardinha assada, o wip e o convívio à volta de uma sangria sem gelo e a um euro cada, a bifana e o Santo António, e a esperança no jogo de quarta. Que a gente critica mas vai lá estar na mesma com a imperial fresquinha e os caracóis como não se comem em mais lado nenhum do mundo, força, prá frente e golo.



    Por Rititi @ 2004/06/13 | Sem comentários »

    Leave a Reply

    Your email address will not be published. Required fields are marked *