Este site foi concebido para ser visto num browser dentro dos limites da caducidade: infelizmente não é o caso do seu. Assim, a sua experiência de navegação será seriamente afectada. Sugerimos a instalação de um browser mais séc. XXI, se lhe for possível: http://www.mozilla.com/firefox . Mas qualquer outro serve.

Rititi

Rititi

INÍCIO

  • querido blogue barris de cerveja

    Querido Blogue,

    Barris de cerveja perseguem o jovem casal Pinheiro pela semana de férias a exercer de honestos patriotas, colaborando com a economia pátria em geral e o sector da hotelaria lisboeta em particular, que não há inflação como o Óro2004, onde já se viu, cinco sardinhas a oito euros. Não importa aonde a gente se esconda, há sempre uma imperial à nossa espera, cuidado lá vem mais uma e depois é a conta, fashfavor, que temos que ver o jogo da Holanda em Óbidos rodeados de suíços do mais educados, que temos que ser bons anfitriões para além bandeiras.

    Que difícil ser adulto e responsável com tanto golo, cachecol, praia e amigos para uma única semana, dasse, se soubesse que a figadeira ia ficar neste triste estado tinha pedido uma licença sem vencimento para me internar nas termas da Curia no domingo que vem. Mas não vale a pena chorar pelos caracóis ingeridos, que sarna con gusto no pica e quem sabe o que nos espera o futuro e as Finanças, tás aqui tás a ser embargado pelas toneladas de multas de estacionamento da EMEL, grande invento, sim senhor, pensavas que escapavas, não?

    Entre tanto combinanço, vistas pró Tejo, mas que linda que é Lisboa e a sua gente tão típica sempre de marcha em marcha a dar porrada nos bifes, o melhor para preservar o euro e o neuro, que não há quem resista a tanto inglês bêbado no Campo das Cebolas, é uma tarde a derreter o cérebro e o corpo no sofá da nossa casa com vistas, comando na mão e a esperança que corra uma lufada de ar fresco, como diria João XXIII antes de ser enviado pelos seus ex-amigos cardinalícios via Express por SEUR a São Pedro, que nessa altura estava com uma crise laboral depois de uma eternidade como porteiro celestial. Acontece nas melhores famílias, como a minha, e para curar crises e ressacas nada melhor que um passeio pelo panorama televisivo cá das nossas terras, bolas córrore, que eu nem sei se me tornar apátrida ou fingir que sou bulgariana, tal é o susto.

    Todos os milhões e milhares de euros gastos em publicidade all over the world para parecermos um povo moderno e simpático, moreno e adulador de estrelas planetárias de meias pelos joelhos, anúncios das cocacolas, vespas e olés, tudo despejado pela sanita hertziana abaixo, depois do Manuel Luís Goucha se ter passeado pelas pracetas do nosso Portugal acompanhado por uma fauna de quins barreiros, ágatasmarlenes e vanessas de cuequinha comprada na Feira de Espinho, tudo graças à nossa tevei, vós que sois um publico ansioso de bimbalhada e sem nada a invejar ao natal dos hospitais, só faltam os doentes terminais em primeira fila.

    Tudo para inglês ver, ainda bem que estão todos podres de bezanos, cozidos em litros de álcool pelas ruas algarvias. Sorte não assistirem ao penoso espectáculo do Malato fingindo pateticamente um quase orgasmo ao som de um ex-operação triunfo em decadencia, que terá sido daquels meninos com o bem que cantavam. Ou o Jorge Gabriel a tentar comunicar com a única senhora surda do abrasado público reunido na minha querida Praça do Comercio, levantasse D. José a sua coroada cabeça e o badagaio era para ser passado ene vezes nesse merdoso show da mediocridade lusitana que é “às duas por três”, deus nos livre de uma doença prolongada frente à teve, damos todos em malucos.

    Olha, vale-nos sempre a tevecabo, grande generosidade da PeTe e seus compinchas, e a descoberta no Odisseia de uma gaja cujo fetiche são os balões de borracha, brincar encima deles e dar-lhes pontapés, é maravilhosa a sensação da menina “quando rebentam e assustam, a gente nunca sabe quando vão fazer barulho”.

    Vou ali experimentar com um balão de agua contra a parede a cabra da vizinha, pode ser que me transforme noutra mulher, sem necessidade de tanta festa e coboiada no Bairro Alto, esposa responsável e honestíssima visitante do continente aos sábados com a família, sogra incluída. Se calhar até me dá vontade de ser mãe, com esta nova forma de sexualidade ao látex nunca se sabe, oyes. Há gente mesmo queimadinha dos cornos.



    Por Rititi @ 2004/06/17 | Sem comentários »

    Leave a Reply

    Your email address will not be published. Required fields are marked *