Este site foi concebido para ser visto num browser dentro dos limites da caducidade: infelizmente não é o caso do seu. Assim, a sua experiência de navegação será seriamente afectada. Sugerimos a instalação de um browser mais séc. XXI, se lhe for possível: http://www.mozilla.com/firefox . Mas qualquer outro serve.

Rititi

Rititi

INÍCIO

  • querido blogue agora que classe media

    Querido Blogue,

    Agora que a classe media se dirige em caravanas para a pasmaceira do ser sempre visto nas praias algarvias, os jovens e intrépidos Mr and Mrs Pinheiro regressam à nossa terra, eternamente queimada, incendiada graças à simpatia e benevolência da classe governante, afinal, não nos vamos complicar por causa de uns hectares de merda se isto acontece só no verão e a gente está mas é preocupada com a organização das férias e das festas e dos jantares com a Titishas ministras. Porque afinal, sejamos sinceros, a quem lhe importa uns quantos carvalhos centenários, umas casas a cair e uns velhos enrugados com a mania de se ficarem por esses montes, cheios de madeira, terras que tanto jeito davam para construir uns belos duns condomínios, fechados ao povo que lava no rio, privados do cheiro a gente pobre que nós já fomos e não nos queremos lembrar.

    Ai, país de merda, país complexado que se baba com um Santana Lopes, que até tem pinta o homem, e vê só, para o que há por aí, ao menos come as gajas todas e está em todo o lado, desde a Kapital à Casa do Castelo, ai que saudades to T-Club, lembras-te, querida, e que os espanhóis nos apaguem os incêndios, que os nuestros hermanos nos arrumem a casa e nos façam a cama e elejam os nossos deputados para comissários nessa coisa longínqua que nos dá a massa para as autóstradas de cartão que têm que levar com piso novo cada cinco anos.

    País de merda, e desculpa lá, mas não há pachorra para as lágrimas derramadas pela Arrábida, todos os anos a mesma lenga-lenga, um desastre ecológico, uma desgraça, desde Loulé, Sofia Matos, para a teveí e passamos agora à moda em biquinis para este verão, todos os anos, comissões parlamentares que nunca o são, sem consequências ou culpados, afinal, uns malucos, coitados, piromaníacos, a gente já sabe o que a falta de estudos, que pena, os pais eram tão boa gente.

    País de merda, até ao dia que os helicópteros italianos não cheguem e os gregos nos façam um manguito, apaguem vocês os vossos fogos e cheirem a vossa miséria, pena de Portugal, sempre à espera de Julho para aparecer na CNN pelo fumo da nossa preguiça e falta de vergonha.



    Por Rititi @ 2004/07/29 | Sem comentários »


    querido blogue vou ali grecia recuperar

    Querido Blogue,

    Vou ali à Grécia recuperar a Taça que os cabroes nos gamaram e volto quando algum armador milionário estiver disposto a financiar Mr. and Mrs. Pinheiro para toda a eternidade. É que um casal tão social e divertido como a gente deveria ser patrocinado, sponsorizado, incluído nas obras benéficas de um ricaço com pretensões filantrópicas. Também aceitamos a adopção, que a minha mãe não se importa nada que eu viva no bem bom e lhe mande todos os meses uma transferência para a conta nominal na Suiça.

    Que não pensem os incautos que este feliz espírito rititiniano vive à borla, com o caríssimo que é manter uma vida interessante nos banais dias de correm nesta Ibéria pós-moderna e bem pensante. Jantares, vestidos e penteados no Mercado de Fuencarral, depilação e pedicura francesa nas unhas dos pés, a Vanity Fair e outras bíblias obrigatórias para uma mente moderna, concertos de música barroca e copos no Buda Bar, tudo isto tem um preço e o meu amor já está farto de financiar tanto glamour aos empurrões.

    Ai, se os governantes soubessem o favor que fariam à civilização ocidental se incluíssem o luxo asiático na Segurança Social! Para quando um subsídio de style, nós que tão fartos estamos de contribuir para a baixa por depressão da Função Publica?

    Ao novo Primeiro-Ministro, eis as minhas exigências. Para um Mundo mais fashion, por uns saldos possíveis na Max Mara, pliz, sinhor ministo, ouça as minhas súplicas:

    Férias

    Tempo: A Rititi sofre. A Rititi chora. Cada vez que uma é obrigada a escolher vinte e dois, vinte e dois dias, vinte e dois dias (ai) para se dedicar à contemplação do corpo do ser amado alguma coisa vai mal. Exijo férias contínuas e sem limitações, pagas pelo Fundo Público para o Desenvolvimento do Bronzeado.

    Destinos: A Rititi (e todo o seu clube de fans) apresenta ao Ministério das Obras Publicas o projecto de demolição imediata de lugares abjectos e estupidificantes como Quarteira, Armação de Pêra ou a Quinta do Castelo. Como se vê, não somos discriminatórios.

    Moda: Subsídio para a Educação Estilista do Povo, já! Chanatas do Continente com calção de banho aos quadrados… ufff, tudo para a fogueira, povao incluído.

    Estado de Alma

    Trabalho: Não se pode ir trabalhar todos os dias se uma mulher quer manter o corpo de dezoito anos inalterado. Que raio de mundo este, incapaz de entender que são precisas horas de banhos de turcos para ter uma pele radiosa? E quem pode jantar sushi todos os dias, com bezana a condizer e bailarico até às seis da manha com ordenados da treta? Urgente, urgente, abolição da escravatura laboral já!

    Prazeres vários: Estamos fartas do engate de discoteca! Olá, és muita gira! Queremos aviões de suecos que nos apaixonem a ritmo de tango e cartão de crédito! Que desembarquem em Lisboa os tão ansiados xeques árabes com promessas de colecções da Hermes! Cama e unzinhos por decreto-lei!

    E pronter, que tenho que ir fazer mala. Que o Santana se ponha a pau, que daqui a nada volto com a Taça e um bronzeado que fará inveja aos meus colegas suburbanos e drogados na relaity-life televisiva.

    Até já.



    Por Rititi @ 2004/07/16 | 1 Comentário »


    lucrecia minha gata adorada volta das

    Lucrécia, minha gata adorada, volta das tuas férias em casa da Avó que estás perdoada, que desde que emigraste para a Extremadura tenho a casa cheia de bichanos pulguentos e ranhosos, terceira categoria gatuna. É que o meu telhado sem a protecção da minha elegante e neurótica Lu enche-se de rafeiros e esfomeados visitantes, nem o meu quarto se salva, sabe Deus quanto gato já andou a cheirar as minhas sandálias da Camper, que nojo. Lucrécia, se voltares juro substituir as pílulas anti-cio pela nova invenção para a frigidez do grelo: auto-colantes de testosterona, a ultima promessa científica dos States para gajas que não se vêem nem com um desfile da Prada em Milão.

    Claro que os que já correram desalmadamente para as farmácias, atropelando velhinhas e crianças inocentes, foram os milhares de maridos fartos de mijar fora do sítio devido a tanta dor de cabeça, sono repentino e crianças do outro lado da porta. Tudo pelo bem do casal. Pois. Sonha o americano médio com noites de wild, wild sex, resultado de um cocktail explosivo de Viagra e auto-colantes pá queca, como se a mulher, com uma dose industrial de hormonas, revirasse os olhos perante um pirilau teso. Oh Maiquel, ai fil veri creisi, givemi iour dique!!!!

    Quando o homem perceber que sem emoção não há gaja que lubrifique então estaremos perante uma nova Era da Humanidade. Tão difícil é perceber que os desejos femininos estão a milénios luz do Califórnia Dream oxigenado e siliconizado?

    Por isso, mulherame luso, aqui apelo ao vosso orgasmo escondido. Basta de charlatães de feira, que não há auto-colante que pegue a falta de desejo provocada pelo tédio das cervejas à frente da bola. Apostai por um amante e não por um senhor que vos dê um apelido, que não vos envergonhe a chamada do clítoris. Que a mulher não fique vítima das histórias que nunca ninguém lhe contou ao ouvido, vítima do medo a ficar encalhada no esquecimento da monotonia diária. Que entendam que para a excitação do grelo faz falta muito mais que um jantar no dia dos namorados no hindú do Colombo.

    Que mundo este, com tanta pílula para o desejo e cada dia mais perto do mundo feliz do Huxley.



    Por Rititi @ 2004/07/14 | Sem comentários »


    que hoje nao me falem da escolha do

    Que hoje não me falem da escolha do Sampaio. Quero lá saber da lagriminha infantil do Ferro Rodrigues, dos futuríveis do Santana, da birra da Ana Gomes. Caguei para a ilegalidade do muro do Sharon, para os mortos de Israel e a comissão do 11-M. Quero lá saber das mulheres maltratadas, das mortes na estrada e dos tubarões da Austrália. Que se foda o mundo e a SIDA na Ásia, as eleições do Real Madrid e a ida do Deco par o Barça. Até o facto do meu carro ter sido possuído pelo espírito do Lorenzo di Medicis e agora só apanhe rádios italianas me deixa indiferente num dia como hoje.

    Há um ano, num outro 12 de Julho, casei-me.

    Há um ano um padre de esquerdas foi a sensação da festa e essa noite mais de um velho casal voltou a encontrar-se debaixo dos lençóis. Há um ano a minha mãe, linda de azul e felicidade, foi proclamada musa da comunidade gay por dois costureiros panascas que ignoravam a noiva e a sua criação. Há um ano o Alentejo acolheu uma comitiva internacional que causaria inveja a qualquer organizador de conferências e falava-se um português com sotaque estranho, mistura de Espinho, vodka e algum engate precipitado. Há um ano um vento cabrão quase que me arruína o jantar e a paralisia facial, tal a histeria e o nó no estômago, afinal a gente só se casa uma vez.

    Há um ano a minha sogra ficava parente do meu pai, que orgulhoso me levava do braço até aos meus amigos mais queridos vestidos de gente séria com gravatas e saltos altos. Há um ano, ao som de Purcell, os padrinhos eram a confirmação do amor sem fronteiras ou como o Erasmus é mais que um intercâmbio de conhecimentos. Há um ano as irmãs, as solteiras mais bonitas, liam poemas de amor e nem São Paulo deixou de ser romântico entre tanta flor e familiares chorosos. Há um ano vi todos os que faltavam e os que estavam davam as mãos num aperto que continha saudades e memórias de outros tempos. Há um ano um bolero abriu o baile e as avós voltaram a ter vinte anos em sapatos cómodos. Há um ano dançavam apaixonados os meus pais, lembrando a menina que não se queria casar e rezando para que a minha irmã demorasse anos a encontrar o amor da vida dela.

    Há um ano eu disse que sim, que queria ficar com ele até que a morte batesse à porta, que queria envelhecer ao lado do meu homem e partilhar filhos, dores e penas, que o amor resiste até à dentadura postiça. Há um ano trocámos alianças, moedas de prata e uma vontade infinita de estar juntos. Para sempre.

    Há um ano casei-me e a minha vida é melhor e mais feliz.



    Por Rititi @ 2004/07/12 | Sem comentários »


    querido blogue pesam me as mamas nao

    Querido Blogue,

    Pesam-me as mamas, não posso com as minhas pernas, por não falar já da dor de rins e da puta da tensãozinha que me faz andar com a lágrima no canto do olho vinte e quatro horas por dia. Que ainda tenha marido é uma prova irrefutável da paciência infinita dos que amam sem medo aos pensos higiénicos. Porque uma coisa são os telefonemas da sogra, as depilações de ultima hora e as meias rotas espalhadas pelo quarto e outra é ter que levar com o meu histerismo menstrual cada vinte e oito dias, meu amor, gostas de mim, estou gorda, estou flácida, tenho celulite, sou feia, quero-me matar, o mundo está contra mim, amo-te mas vai-te embora antes que te arranque o olho com o aplicador do tampão super absorvente.

    Deus é gajo, juro pelos comprimidos para a dor de ovários, e na criação do Universo teve especial atenção a que a mulher se lembrasse de cabra da Eva até à chegada da menopausa. Que culpa tem o grelame planetário que o Adão fosse um totó excepcional, um potencial cornudo em toda a regra, queridoooo, come lá esta maçazinha que logo faço-te um broche depois de jantar. Foram os homens responsabilizados por esta baboseira? Não! O pior que lhe pode acontecer a um gajo é ficar careca ou ter que ir mijar cada quinze minutos a partir dos cinquenta anos.

    A vingança de Deus só observou o aparelho reprodutor feminino, e hás-de escorrer sangue pelas pernas abaixo até a descoberta das evaxes com abas, puta, e se não te basta com isso, inchar-se-á a tua barriga e terás gases cabrões e gozarás da TPM para te lembrares que não tinhas nada que andar por aí no parlapié com a serpente diabólica. POR UMA MAÇA!!! Se o diabo lhe tivesse oferecido um charro nem quero imaginar as filhas da putice que teríamos que suportar para toda a eternidade!

    Que retorcida ideia de justiça a deste gajo com barbas, fodasse, se descubro a cabra da feminista que ideou aquele anúncio de calmantes (“Porque há dores que só as mulheres têm o privilégio de ter”) coso-lhe a cona com o cordão do tampax. Ou então, Deus voltou à terra para partilhar com os humanos o seu genial sentido de humor! Ahahahahahah!!!! Demais, cabrão!

    E que não me fodam com a conversa da maternidade, o dom dos dons, e da sensibilidade, e do sexto sentido e o caralho. Que eu não acho justo que num mundo moderno, onde qualquer metrossexual pagaria por ficar prenho, as gajas tenham que levar com esta bomba relógio que desestabiliza até o espírito mais pacífico educado na fé tântrica e na inspiração de incensos.

    Porra.



    Por Rititi @ 2004/07/09 | Sem comentários »


    ode as tardes estivais estendida no

    Ode às tardes estivais

    Estendida no sofá conjugal de cabedal, perna morta e ligada emocionalmente ao ar condicionado, que bem que se passam as tardes na soporífera Madrid pré-ferias helénicas (apesar da derrota). Por muita capital ibérica, muito passeio do Prado, muito Thyssen- Bornemissa que tanto encantava os tugasinhos que vinham à cata das rebajas no Ikea e o caraças, há sempre espaço para o tédio e nisso eu sou a perita por excelência, que esta capacidade que me deram os deuses para desperdiçar o tempo até a mim me espanta.

    Quantas empresas deveriam contratar-me para ensinar os executivos stressados a relaxar enquanto espremem as borbulhas na casa de banho! Porquê o Estado continua a ignorar os benefícios dos domingos a pastar com os episódios duplos de Rex, o cao polícia? Já que estamos nisso, já se fez algum estudo sobre os danos causados pela nao renovaçao da Buffy, a Caça-Vampiros, no karma dos ressacados nacionais? Dúvidas que me assaltam…

    E eu, dividida entre a urgência de pôr em práctica a necessária operaçao bikini e a paz espiritual que me dao Las Aventuras del Joven Superman, opto por deixar-me levar pela preguiça estival, sempre na horizontal e agarrada à Vogue ediçao de Julho. Interessantes reportagens, diz-me o meu amor, a ignorância masculina para a moda mundial tem destas bocas, mas eu continuo na minha, ao ritmo do meu gin tónico com pipocas, nova descoberta em lanches caseiros. Nada conseguirá afastar-me das tendências para este verao, juro pela minha nova dor de rins, e lá subo o volume à voz da Cecilia Bartoli, que feliz que estou, embalada pelo álcool e as cançoes de Vivaldi, meu amor, serves-me mais um copo?

    Que fácil que é viver de cuecas na sala, passo à página seguinte, quase a atingir o êxtase quando me topo com as sandálias da Gucci que sempre aparecem nas minhas fantasias mais ocultas. Mas nao, o holocausto chega pela minha janela via pátio interior, pelos vistos nao sou eu a unica a chegar ao orgasmo! Quem, meu deus, é essa vizinha cujos gemidos estereofónicos derrumbam a minha calma interior? Quem se atreve a vir-se publicamente à hora do meu tangarai com tónica e limao, interrompendo a intima elevaçao mística com tal gritario vaginal?

    Meia hora, hora e meia, e a queca que nunca mais acaba. Destruido o meu retiro, entrego-me ao passatempo preferido da classe média: a cusquice. O meu amor aposta no sexo em grupo, mas eu cá nao ouço gajo nenhum a partilhar com a vizinhança o gozo sexual. Será um filme? Um vibrador com as pilhas do coelho da duracell? Nao resisto, vou à janela. Quem é, quem é?

    Nao somos os únicos a espreitar o sexo dos outros, que engraçado, está tudo debruçado no parapeito.

    Nao descubrimos a mulher mais satisfeita do Universo, mas as relaçoes com o casal da frente melhoraram muito desde esse dia. E ficámos a saber que a pianista do 3º-D vai mudar de casa. E que os putos do primeiro andar fumam às escondidas da mae. E que a gaja do segundo usa tangas amarelos.

    Quem disse que as tardes no sossego do lar eram chatas?



    Por Rititi @ 2004/07/07 | Sem comentários »


    como prometi querida vieira ca vai

    Como prometi, Querida Vieira, cá vai a minha resposta:

    Querido Blogue,

    Nao dava crédito ontem aos meus olhos, quase que me dá um espasmo mental do que vi em todas as têvês cá de Espanha: uma grande cobertura mediática à manifestaçao de pró-bichos em Pamplona com centenas de activistas nórdicos a mostrar a sua digna repulsa à Fiesta em geral e aos San Fermines em particular de mamas ao leu, nús como Deus lhes trouxe ao mundo. Que bonita que é a liberdade de expressao, dasse, todas essas criaturas do sinhor tatuadas com imagens de touros mortos no rabo celulítico e pouco bronzeado, apelando a uma festa alternativa a favor de um animal com mais direitos que a maioria dos emigrantes do Magrebe por essa civilizada e limpa Europa fora. Rodeados de pamplonicas, o melhor que se ouviu da boca dos simpáticos manifestantes foi a palavra assassinos. E depois eu é que estou maluca.

    Enfim, os tempos que mudam, e os aficionados ou nos flagelamos em público ou damos a nossa fortuna à Green Peace, vai daí nós nao passamos de uns seres irracionais e tenebrosos, com prazeres tao ocultos que só se satisfazem com a morte de um bicho de nobres sentimentos e consciencia social elevada. Todos nós à fogueira por canibais e más pessoas, que nos retirem o direito ao voto e às cañas na Plaza Mayor. Que nos arranquem os ovários e por favor retirem a custódia dos filhos a esses fanáticos sedentos de sangue e já agora que internem os putos em lares sanitários para uma limpeza cerebral ao mais puro estilo Laranja Mecanica.

    As praças de touros rapidamente transformadas em centros de reabilitaçao, com psicologos da S. P. A. prestando a sua sábia ajuda aos bestas que pagam as entradas das corridas e os toureiros, esses cobardes de meia cor de rosa, no mínimo capados, cabroes de merda, a fazerem mal ao torito ibérico e castiço. Os forcados pendurados pelos tomates, eles que presumem de masculinidade e bravura e as cavaleiras que lhes amputem as mamas por porcas e vingativas, que o animal nao fez mal a ninguem.

    Ganaderos, maiorais, moços de espada, banderilheiros, subalternos e até a banda filarmónica do Cartaxo, todos fusilados nos pelourinhos nacionais enquanto os ecologistas e amigos dos animais atingem a glória mística, elevados pela certeza da causa mais justa, que nao olha a meios para atingir tao iluminados fins, que nao cessará até que paguem com o seu sangue os culpados da barbárie animal.

    Tudo pelo bem do touro, fodasse.



    Por Rititi @ 2004/07/06 | 6 comentários »


    breve cronica de uma pena lusitana

    (Breve Cronica de Uma Pena Lusitana)

    Mucho toro pá tan poco novillero, qué quieres que te diga, oyes, que um País como o nosso nao está preparado para tanto entusiasmo e pressao patriótica. Afinal, muita areia para esta camionete de caixa aberta, com as ilusoes de três semanas a perderem-se pela autóstrada de Madrid.

    Valeu a pena, diz o editorial do Publico, que já tinha preparada uma ediçao especial de vencedores, nós o País de tanga e Cristianos Ronaldos que nao se importam de levar com um cartao amarelo com tal de mostrar o peito trabalhado no estrangeiro. Pois, valeu a pena, e até a sonsa de Judite de Sousa exigiu o protagonismo de presentar o TeleJornal da vitória. Olha, Judite, fodeste-te à grande, e com a mesma cara de cú que os mudos espectadores do estádio da Luz, tiveste o teu momento de gloria para engolires em directo a Patria com queijo feta.

    Valeu a pena ter bebido dezenas de litros de cerveza em Chueca, rodeada de gays estupefactos perante quatro portugueses e um hino apelando às armas e aos canhoes e à saudade da terra longinqua, menina cala-se que incomoda os comensais do restaurante fino. Valeu a pena ter sonhado que por uma vez nós conseguiamos chegar lá sem ajuda dos fundos estructurais, contas aldrabadas e arbritragens à coreana.

    E agora as bandeiras guardadas até ao Mundial, em vez de as sacar durante os Para-Olimpicos, unico campeonato onde os nossos cegos nos trazem medalhas mais do que merecidas. Mas quem liga aos coitadinhos de calçao curto, que para desgraças as minhas e ninguem gosta de ver um grupo de aleijados a correr detrás de uma bola de basquetebol. Mais vale um Figo a um coxo.

    Valeu a pena e eu tenho cá uma tristeza filha da puta que nem sei explicar, que a gente merecia ter ficado com a Taça, caralho, nem somos má gente e até jogámos bem, sem os murros do costume. Valeu a pena, e eu ralada.

    Que me digam que faço eu com a minha pena.



    Por Rititi @ 2004/07/05 | Sem comentários »


    ressucitada do purgatorio das ressacas

    Ressucitada do Purgatório das Ressacas Fatais e esperando o milagre contra os cabroes dos gregos, a Rititi is back com o programa eleitoral que todos esperavam.

    VOTA RITITI, POR UM PORTUGAL COM COJONES COR DE ROSA

    Ministerio do Staile: Urge a criaçao deste Ministerio no nosso Pais de chungosos e fans de la Redoutte. Finalmente o buço das portuguesas será punido com a prisao preventiva indefinida. As botas de cunha serao confiscadas pela Brigada Anti-Bimbas e a conjugaçao calça de sarja/camisa branca da Zara proibida por decreto-lei. Pena máxima para aquelas almadenses que se lembrem de usar os oculos escuros (imitaçao Gucci) como bandolete. Ministra por direito divino: Miss Texas 84.

    Ministerio do Ordenamento do Consumo de Psicotrópicos: Por uma livre e gratuita erva-dose diaria, pela plantaçao de cannabis nos vasos das suburbanas lusas, pela substituiçao dos Morangos com Açucar pelo Space Cake, vota Rititi. Chiribitis nos postos de trabalho e nas filas dos transportes publicos. Ministro indigitado: Bruno

    Ministerio das Gajas: Porque ao nosso Portugal o que lhe falta é engate sem complexos. Por uma livre circulaçao de fluidos intimos sem restricçoes de espaços nem horarios. Acabaram-se as noites na solidao do lar à frente da PS2, com este novo Ministerio todos os portugueses terao direito à sua mulher de sonho com entrega gratuita a domicilio de loiras, morenas e asiaticas. Ministros por petiçao primeira: Os Marretas . Criaçao da Secretaria de Estado para o Sexo em Grupo, cuja responsabilidade cai sobre Victor Lazlo

    Ministerio da Portugalidade: Nao teremos mais vergonha de sermos o cu da Europa, de sermos os pobres e bigotudos portugueses alvo de chacotas e anedotas. Que se fodam os espanhois, os bifes e os italianos. Fados na teve do Estado, bicas para todos, lusitanidade já!!! SG Ventil obrigatório nas escolas publicas e tremoços nos hospitais da Segurança Social. Ministro: Jack the Niple.

    Ministerio de Ferias: Estamos preocupados pela pouco tempo livre das nossas mulheres trabalhadeiras. Muita limpeza da casa, muita hora no escritorio e depois andam assim, com a pele feita um nojo e as pernas sem depilar. A futura Ministra para os Spas a Vieira, promete free viagens para os Resorts luxuosos sem limite de tempo e plafond no cartao de credito. Nativos bem dotados para todas as portuguesas, com sessoes prolongadas de massagens e o que for preciso. Para as mais aventureiras, cria-se a Secretaria de Estado das Viagens de Longa Duração e Aventura em terras de mosquitos, para a Marlucas. Para que nao se sintam alones, vem um Indiana Jones no kit de férias

    Ministerio da Cóltura Compusilva: A nova Ministra Charlotte será a responsavel pela alfabetizaçao das classes operárias, criando campos de concentraçao intelectual para o povo viciado em Quim Barreiro. Com a ajuda do Secretario de Estado da Literatura Livre, Pelejao, os contos de Woody Allen serao obrigatorios para aceder a um emprego nas fabricas de calçado patrio.

    O meu gabinete mais intimo estará composto aliás pela Secretaria de Estado para a Maledicência, a Egocêntrica, que se encarregará de difamar, insultar e ultrajar qualquer opositor às minhas brilhantes ideias, apoiando-se na ajuda das Juventudes Rititinianas, as jovens Nodoas. O meu colhao direito, o Coentros, será responsável pela recepçao de novas ideias, aceites a troco de cheques chorudos e anonimos. Recordar aos eleitores que graças aos dinheiros pub(l)icos terei um belissimo ordenado e nao trabalharei jamais, assim como a minha adorável Mana, que se dedicará à caça de trilionário sueco. Mr. Pinheiro, será o Rititi com Sorte, para bem do Pais que a Rititi tem que andar feliz e bem servida.

    Mas lembrem-se: o importante aqui é vencermos esta corrida ao Poder e, sobretudo, apagar para sempre o nome do inutil (bla, bla, bla) do Santana Lopes. Portugueses, precisamos dos vossos votos!

    RITITI, RITITI, RITITI!!!



    Por Rititi @ 2004/07/02 | Sem comentários »