Este site foi concebido para ser visto num browser dentro dos limites da caducidade: infelizmente não é o caso do seu. Assim, a sua experiência de navegação será seriamente afectada. Sugerimos a instalação de um browser mais séc. XXI, se lhe for possível: http://www.mozilla.com/firefox . Mas qualquer outro serve.

Rititi

Rititi

INÍCIO

  • coisas que de verdade importam nasceu

    COISAS QUE DE VERDADE IMPORTAM

    Nasceu a Leonor!!!

    À mãe Papoila, ao pai Zé, muitos parabéns.

    Leonor, que sejas feliz. Muito. O resto não importa.



    Por Rititi @ 2005/05/31 | 4 comentários »


    rititi em festa as lides da casa ana da


    RITITI EM FESTA: AS LIDES DA CASA

    A Ana, da Vida dos Meus Dias, aproveitou estas festividades para mostrar ao mundo que o Livro da Rititi limpa melhor, faz brilhar os móveis e tira as ruguinhas todas da roupa!

    Beijos grandes, Ana, e até sábado! A foto está demais! Adorei!!



    Por Rititi @ 2005/05/31 | 2 comentários »


    rititi em festa banda sonora os

    RITITI EM FESTA: A BANDA SONORA

    Os leitores da Rititi são gente atenta e concentrada. Analistas e sociólogos, investigam cada letra impressa, ouvem qualquer canção, sempre em busca do embuste.
    E o Blogue Chichisbeu é bom exemplo desta dedicação, que preocupado, me alertou da seguinte falsificação: “Não me pergunte como, não lho posso dizer, mas descobri que a letra da música de António Variações, adaptada pelo grupo musical “Humanos” como “Muda de vida”, está adulterada. Por ser do seu interesse, junto anexo o original.. O Chichisbeu”.

    Lê o livro da Rititi”

    Lê o livro da Rititi se tu não vives satisfeito
    Lê o livro da Rititi, estás sempre a tempo de
    o ler
    Lê o livro da Rititi , não deves viver contrafeito
    Lê o livro da Rititi, se há vida em ti a latejar

    Ver-te a ler o blog rosa cueca eu nunca te vi
    E a rir, eu nunca te ouvi
    Será de ti ou pensas que tens…que ser
    assim?…

    Lê o livro da Rititi, se tu não vives satisfeito
    Lê o livro da Rititi, estás sempre a tempo de
    o ler
    Lê o livro da Rititi, não deves viver contrafeito
    Lê o livro da Rititi, se há vida em ti a latejar

    Ver-te a ler o blog rosa cueca eu nunca te vi
    E a rir, eu nunca te ouvi
    Será de ti ou pensas que tens…que ser
    assim?

    Olha que a vida não, não é nem deve ser
    Como um castigo que tu terás que viver

    Lê o livro da Rititi, se tu não vives satisfeito
    Lê o livro da Rititi, estás sempre a tempo de
    o ler
    Lê o livro da Rititi, não deves viver contrafeito
    Lê o livro da Rititi, se há vida em ti a latejar

    Obrigada! Já temos banda sonora!



    Por Rititi @ 2005/05/30 | 2 comentários »


    rititi em festa verdade do sorriso o

    RITITI EM FESTA: A VERDADE DO SORRISO



    O Animal, professor e boa gente, indagou, indagou, e pimba! A Mona Lisa foi a primeira fã da Rititi.
    Claro, só assim se percebe o fascínio pelo quadro!



    Por Rititi @ 2005/05/30 | 1 Comentário »


    querido blogue chegada esta idade o

    Querido Blogue,

    Chegada a esta idade, o gajedo, casado, solteiro e lésbicas incluídas, começa a engravidar e a vida anterior – virtualmente ocupada por horas a orbitar de loja em loja e a bebericar vinho branco nos bares – é substituída por serões de aprendizagem sobre o aleitamento, partilha fraternal de babetes, fraldinhas pirosas com ursinhos apaneleirados e chupetas e aulas compulsivas de Lamaze. O que antes eram mulheres despreocupadas e de pensamento livre transformou-se numa confraria de neo-virgens vestidas com laçarotes até às orelhas, abduzidas pelo espírito da Mãe Terra e com as contracções dos planetas que se alinharam para lhes facilitar a gravidez. Ouvem CDs com o som do vento a roçar qual orvalho fresco as árvores centenárias da Jutelândia, babam-se com a ideia de mudar o cocó da criatura que vem a caminho, discutem percentís e truques para uma noite de sono completa e o que é pior, deixaram de sair com «as outras», as não grávidas, as que não foram ungidas pelo dom mais divino de todos: o da Maternidade. Olham com desdém para as que adiamos a que é suposta ser a nossa função última, desprezam o quotidiano que até há pouco lhes era comum e prazenteiro, desdenham a não fecundidade compulsiva e as noites em branco em frente a um copo de uísque.
    Olho como de lado, sem querer que me toque esta paranóia hormonal, mas não deixo de sofrer pelo que toca o meu quotidiano. E tenho saudades das mulheres que eram antes de se tornarem em prenhas imaculadas, portadoras da vida eterna, a reencarnação da Nossa Senhora e numas chatas do caralho obcecadas com o biberão e as cadeirinhas multi-usos que custam no mínimo quarenta contos e um olho do cu. Ao menino que não lhe falte nada e o resto da Humanidade que se foda se não entende. Por ignorante e infértil. Porque estar grávida já não é uma passagem, porque parir deixou de ser um acto natural para se transformar num estado de graça místico-filosófico que se impinge ao gajedo de ovários inúteis e secos. Negar a maternidade a partir dos trinta é tão deplorável como amputar uma perna.
    Y es una puta pena. Que lhes acontecerá quando as criaturas crescerem? Pode a vida voltar à naturalidade depois desta elevação divina a que submeteram? Que sucederá se não se aclimatarem ao universo diário das pressas e das noites sem choros que as confortem? Poderei eu alguma vez entender esta fase da vida?
    Resumo a minha família, as fêmeas que pariram sem ajuda da epidural e das ecografias ultra-sónicas; imagino o parto brutal da minha Avó, suportado apenas pelo calor da parteira da aldeia. Teremos mudado assim tanto em cinquenta anos? Quando deixámos de ser simplesmente mães? A tecnologia transformou-nos tanto que nos deixou sem memória biológica?
    Bebo mais um gin tónico ao som de Bach. Sem complexos. Recordo a minha infância rodeada de prenhas e gajas recém-paridas. E não deve ser tão difícil assim. Basta querer ser mãe e não fazer disso uma justificação aos traumas anteriores, à vida de conto de fadas em que tudo é perfeito e cor-de-rosa. Basta não pensar muito. E tentar ser feliz. Como em tudo na vida.



    Por Rititi @ 2005/05/29 | 45 comentários »


    rititi em festa o baptizado dia 4 de

    RITITI EM FESTA: O BAPTIZADO

    Dia 4 de Junho na FNAC do Chiado às 18:00.

    Procuramos um padre.



    Por Rititi @ 2005/05/27 | 38 comentários »


    rititi em festa o livro e o seu lugar

    RITITI EM FESTA: O LIVRO E O SEU LUGAR NA HISTÓRIA

    Não podia esperar menos deles, dos supremos, dos Marretas, dos que num passado longínquo olharam para este cantinho rosa-cueca e me consideraram parte da “malta fixe”.
    E os gajos não fazem a coisa por menos.

    Atenção à legenda do Animal: “Andei a vasculhar nos arquivos do material que impinjo aos meus alunos nas aulas de História da Arte e descobri este quadro do David que demonstra, sem margem para dúvidas, que a causa da morte de Marat não foi a menina Charlotte Corday – como insinuam certas e determinadas tendências – mas certas e determinadas leituras de certas e determinadas pessoas…”

    Queridos: a prendinha do vosso blogue é linda! Obrigada, sempre.



    Por Rititi @ 2005/05/27 | 2 comentários »


    rititi em festa debaixo da saia nas

    RITITI EM FESTA: DEBAIXO DA SAIA, NAS TERRAS ALTAS

    A Clô, do Lost in Translation gosta do Ewan. Não gosta é que o Ewan ande por aí a mostrar as intimidades ao mundo, o porco.

    A acompanhar a deliciosa fota do seu amor, a Clô aproveita para se queixar:
    “Ewan McGregor é um exibicionista, não perde oportunidade de mostrar a pila em TODO e QUALQUER filme que participa, lá teve que fazer a graçola de costume, e fez pose para a Hello! desta semana com o seu kilt revelador, todo excitado por ler as crónicas da Rititi. Directamente das Terras Altas, valores mais altos se levantam por baixo da fazenda!”

    Ai, Clô, o amor é fodido.



    Por Rititi @ 2005/05/27 | 1 Comentário »


    rititi em festa imprensa escrita o

    RITITI EM FESTA: A IMPRENSA ESCRITA

    O Comércio do Porto falou com a Rititi. E passou a conversa para papel. E a Rititi gostou. E a Rititi corou. E a Rititi transcreve. Ai que me desmancho.

    Rosa Cueca

    Ela é a senhora da blogoesfera portuguesa e o COMÉRCIO orgulha-se de ser o primeiro jornal a quem esta auto-denominada “esquizóide ibérica” concedeu declarações. O politicamente correcto dá-lhe vómitos, o feminismo do “sovaco peludo” dá-lhe vómitos, a metrossexualidade dá-lhe vómitos, Francisco Louçã dá-lhe vómitos e a lamúria lusitana (“que atingiu o auge com a subida de Santana Lopes ao poder”) dá-lhe ainda mais vómitos. Contudo, foi por amor (muito amor – Mr. Pinheiro existe mesmo e é o melhor homem do mundo, garante) que Rita Barata Silvério, a famosa rititi, foi viver para Madrid em Janeiro de 2004. Enquanto geria fortunas alheias, a poucos metros do local onde, naquela manhã, havia explodido mais uma bomba com a assinatura da ETA, Rita demonstrou, mais uma vez, que é possível ser viciada em “trash TV”, revistas do coração e imitações perfeitas da Prada sem deixar de ler bons livros e ser, como disse Pedro Rolo Duarte, “a mais sensata das observadoras”. É que “a futilidade é um direito que faz bem à pele” e tudo o que o que Rita gostaria era pôr uns “cojones” rosa “cueca” a este Portugal deprimido que arde todos os verões, que lhe dói, mas que não resiste a visitar todos os meses: “Somos um país maravilhoso e honesto. Porque é que encalhámos?”, pergunta, perturbada com o discurso do “coitadinhos de nós” e com “o medo de existir”, descrito por José Gil.
    Se há dias em que se sente uma “esquerdalha”, outros há em que escreve como uma “conservadora do pior que há”, mas o importante é não esquecer que “ser feliz não é assim tão difícil”, não fosse a vida desta mulher uma verdadeira comédia… A rititi já é livro. Já é um sucesso”.

    Beijos grandes, agradecidos e sinceros, para o André Baptista, simpatia de pessoa com um marcadíssimo sotaque nortenho.
    Obrigada!



    Por Rititi @ 2005/05/27 | 3 comentários »


    rititi em festa livrinho avoa avoa o

    RITITI EM FESTA: LIVRINHO AVOA, AVOA

    O nosso Pombo Incontinente não é um pássaro qualquer. Ah pois. Na sua migração anual às Terras do Sul não vai por aí a bater as asas, que ordinarice e que vulgaridade. Vai de Jumbo, que para isso é fino e de boas famílias.

    Aqui vemos os seus amigos, os pilotos Orlando Carapuça e Jacobino Anastásio, com o livro da Rititi nas mãos, o novo manual de navegação obrigatório para quem quer chegar a algum lado.

    Boa viagem, querido Pombo!



    Por Rititi @ 2005/05/27 | Sem comentários »