Este site foi concebido para ser visto num browser dentro dos limites da caducidade: infelizmente não é o caso do seu. Assim, a sua experiência de navegação será seriamente afectada. Sugerimos a instalação de um browser mais séc. XXI, se lhe for possível: http://www.mozilla.com/firefox . Mas qualquer outro serve.

Rititi

Rititi

INÍCIO

  • as grandes cabras da ficcao eve o


    AS GRANDES CABRAS DA FICÇAO:
    EVE, O PERIGO DA BANALIDADE (All About Eve)

    Eve. Eve the Golden Girl, the Cover Girl, the Girl Next Door, the Girl on the Moon.
    A queriducha que sempre está disponível, o ombro amigo, a vítima da vida, a devota discípula. A que guarda a faca debaixo da almofada.
    O que quer Eve? Êxito? Amor? Glória e um homem? Que lhe falta a Eve, que se dá com tanta facilidade? Um apartamento em Manhattan? Uma peça na Broadway? Nem por isso. À inocente e pura da Eve o que lhe dói é ser simplezeca, minúsculas, sem nada a acrescentar que um lambe-botismo irritante.
    Eve precisa o que os outros têm: a vida de Margo, o marido de Karen, a fortuna de Max, a genialidade de Bill. O que lhe sobra a Eve – inveja, mediocridade, banalidade – falta-lhe em escrúpulos e valores. Eve não tem moral a que se agarrar, só raiva por não ser plena e feliz, como os demais, como Margo, a vítima perfeita no seu plano demente.
    Eve, Eve, always Eve. Pois é Margo, sempre Eve, a sombra, a que espera que adormeças para te arrancar os olhos, a que não tem limites na mentira.
    Não há personagem masculina no cinema que chegue aos pérfidos calcanhares de Eve. A filha da putice é algo tão feminino, que vem de dentro, uma víscera estranha que domina o carácter e a mente. Lecter era requintado, um génio do mal. Eve não procura a arte nem a perfeição nas sua obras, só foder, ser cabra, roubar a vida alheia, parasita ela das suas próprias tristezas. Que triste, Eve, ao fim premiada e sozinha. Afinal, Eve, de que serviu tudo?
    Eve não suporta o êxito alheio, a glorificação do próximo, porque nela só reside mesquinhice e uma infelicidade crónica, de quem jamais foi amada. Eve, no final, é comida pela mesma avareza que a levou a criar a tragédia na vida de Margo – porque o género feminino está cheio de pequenas e insignificantes Eves, de sanguessugas das riquezas que nunca poderão ter. O problema da banalidade é que de nada servem os prémios ou as glórias fáceis. É sempre preciso mais, foder mais, roubar mais, mentir mais, invejar mais, que os outros sofram mais.
    Claro que só as mulheres conseguem cheirar a léguas as Eves deste mundo (partilhamos os mesmos genes). Por vezes só damos pelo monstro que temos ao nosso lado quando o terramoto já é inevitável, quando se nos cai a casa na cabeça, como lhe acontece à ciumenta e velha Margo, a quem Eve saca proveito dos pequenos pecados, das fraquezas da diva. Eve não suporta esta estrela egocêntrica e adorada por um mundo que não precisa de heróis perfeitos. Eve, ao apontar o dedo às debilidades de Margo, mais não faz que sacar à luz a sua própria merda. Porque o tempo nada perdoa.
    Nem a Eve, a rapariga dourada, a rapariga da capa, a rapariga da porta do lado, a rapariga na Lua.


    Por Rititi @ 2005/06/09 | 8 comentários »

  • C.A. says:

    Miúda, duas coisas:
    1. Acabei de ler o teu livro ontem. És um génio e espero, sinceramente, q nunca deixes esse tom viperino, q não cedas à tentação do politicamente correcto e q, se tiveres de ser madrinha de alguma marcha popular, q escolhas a Bica. Até pq ficas mto bem à porta do Bicaense de copo na mão e saia rodada. Uma princesa, dasse.
    2.Os filmes. Por acaso, do lote fitas de ouro, com gaijas giras q gostaríamos de ter sido ou não, embora não nos importassemos de ter ficar com tooooodo o guarda-roupa, esse é um dos meus favoritos. É de tesa. E acho q, graças ao teu post, este fim-de-semana vou rever o La Dolce Vita e o Sunset Bouvelard. Tá dito.
    Dona Ema

  • Ana says:

    Então e agora que perdi a Rititi no Cabaret da coxa , como é que resolvo este problema ? Gstava tanto de ter visto…..

  • rititi says:

    beijos

  • Carlos Azevedo says:

    Um filme fabuloso. Se não me engano, foi a estreia de M. Monroe no cinema. Um papel pequeno, mais do que secundário, mas luminoso!

  • soniaq says:

    Quando era pequena papava os filmes todos da Bette Davis, achava-a uma diva, linda de morrer, aqueles olhos de carneiro mal morto eram o máximo.
    Todos os filmes dela são o máximo, quanto à filha da putice da Eve, é o que mais há para aí, serve para nos abrir os olhinhos e desconfiar das boas intenções das gajas que nos elogiam demais.

  • carmuue says:

    grande filme! grande cabra!

  • jcd says:

    Só falha num pequeno detalhe. É que apesar de tudo, Eve era mesmo uma grande actriz.

    jcd

  • hey says:

    I do accept as true with all the ideas you’ve presented on your post. They are really convincing and can certainly work. Still, the posts are too quick for newbies. Could you please prolong them a bit from next time? Thanks for the post.|

  • Leave a Reply

    Your email address will not be published. Required fields are marked *

    *

    You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>