Este site foi concebido para ser visto num browser dentro dos limites da caducidade: infelizmente não é o caso do seu. Assim, a sua experiência de navegação será seriamente afectada. Sugerimos a instalação de um browser mais séc. XXI, se lhe for possível: http://www.mozilla.com/firefox . Mas qualquer outro serve.

Rititi

Rititi

INÍCIO

  • rititi um blogue com pilinha james

    RITITI, UM BLOGUE COM PILINHA


    (James Gandolfini na Vanity Fair de Abril)

    O verdadeiro macho. Porque nesta figura imensa, capo da mafia, ser amoral, nesta massa violenta de cem quilos há milhares de razões para uma mulher pedir por favor.


    Por Rititi @ 2007/03/29 | 4 comentários »


    yo publico cambio radical antena 3

    Yo, Público – Cambio Radical, Antena 3
    Crónicas televisivas desde el sofá

    No es que quieran ser guapos, modelos de nada, bellezones nacionales o portadas de interviú. Sólo sueñan con ser normales. Como los demás. No destacar en el metro. Que no se descojonen de sus dientes cuando bajan a por el pan. Que nadie se fije en sus granos. Ser invisibles. O por lo menos así lo entiende uno desde la neblina dominical mientras Antena 3, en la voz de ese muñeco de cera llamado Teresa Viejo, comunica a la televidencia resacosa que también Juanita, por ejemplo, después de ocho semanas de humillantes sesiones de bisturí, puede cambiar de vida. Esto es “Cambio Radical”, la versión del fabuloso “Extreme Makeover” pero en cañí, o lo que es lo mismo, uno entra feo y sale normalito, tirando a pasable, hasta bien soso, vestido como si fuera a la boda de la hija de Jesús Gil, en un claro homenaje a todas esas butique Mari que pueblan nuestra españía quería. Que impresión, qué horror y un flaco favor a estas almas en pena. Lo cierto es que los experimentos del programa (a.k.a., los protagonistas) eran unos verdaderos callos malayos, por no mencionar el crimen visual que representaban las respectivas familias, allí sentaditas en el plató viviendo su momento de gloria quirúrgica. Recordemos, si no, al padre de la cegata del domingo pasado: ¿qué significaba precisamente ese bigote? Lo más lógico, dada la masacre visual, sería pasarlos a todos por el quirófano y si te he visto no me acuerdo. O meterlos directamente en el circo a rentabilizar la mano de obra médica. Demasiado cutre. Me explico.
    Se supone que el programa recoge de la miseria a un par de paletos más feos que pifio y les cambia la cara en nombre de la felicidad: adiós a la grasa asquerosa debajo del sujetador, arriba ese culo fofo que nunca ha pasado por un gimnasio, venga reducir napia, depilar las cejas y el bigote virgen, todo radicalmente, claro, a cuchillazo limpio mientras son grabados, porque, aunque se queden irreconocibles, alguien tendrá que recordarles la injuria de ser hermosos. Se supone que el gordo, la bizca, el manco, la cara-culo, la cuatro ojos y todo el repertorio de chistes de nuestra infancia se transformará, tachán y por arte de magia, en el cisne de los multicines periféricos. Todo el mundo, dicen, tiene derecho a ser feliz. Pero no. En la televisión española la felicidad no pasa por parecerse a la Pataky, porque ser una peazo de tía buena es destacable, apuntable con el dedo, es demasiado evidente, como evidente es que esa pobre gente, además de objetivamente fea, tiene una existencia demasiado obvia. Y la obviedad obliga a la normalidad estética, social y cultural, como la de estos tristes, conejillos de indias para la audiencia, que lo único que buscan es parecerse a los vecinos, tan horteras, ordinarios, obvios, patéticos y miserables como ellos. Sólo que menos feos. Ya les vale.



    Por Rititi @ 2007/03/28 | 1 Comentário »


    rititi um blogue com pilinha calle 13

    RITITI, UM BLOGUE COM PILINHA


    Calle 13 – Atrevete-te

    Gajo que é gajo, assim como este blogue se sente hoje, trata as mulheres por tu, agarra-as por detrás, fixa-lhes as pernas, deseja-lhes os cantos, toca-lhes com o corpo inteiro. Gajo que é gajo diz tudo. Porque nós, reparem, não queremos flores. Não queremos beijinhos na testa. Não precisamos que nos elogiem o refogado. Queremos que nos refoguem.



    Por Rititi @ 2007/03/26 | 19 comentários »


    os meus amigos sao melhores que os teus

    OS MEUS AMIGOS SÃO MELHORES QUE OS TEUS

    Madrid Expresso é um podcast multimédia semanal dedicado à capital europeia mais próxima de Lisboa. Realizado pelo jornalista e documentarista Filipe Araújo e pelo fotógrafo Guillaume Pazat, em co-produção para o semanário Expresso, tem como objectivo trazer até este lado da fronteira 24 retratos de microcosmos da actualidade madrilena.” Isto dizem eles.
    E eu, como sou uma naba pró multimédia só posso lincar o mais bonito dos podecastes publicados, Olé!, dedicado à Escuela Taurina Marcial Lalanda.

    “No terceiro milénio, na era da informação em tempo real, estes homens recordam que há um outro nível para medir a coragem humana e que, longe de ficarem presos no recôndito mundo da romaria, são comparados a desportistas de elite, tanto pelos sucessos na temporada como pelas fortunas ganhas tarde após tarde. No entanto, assim como o touro é elemento indissociável da chamada cultura genética do povo peninsular, os matadores também pertencem ao quotidiano das revistas do coração, das festas de luxo, do relatório médico que informa quando são colhidos num festejo tauromáquico. Mas são poucos os que chegam ao cimo dos rankings dos mais premiados com orelhas, apêndices feitos troféus que definem quem é a futura estrela do verão. Uns ficam presos nas necrológicas, mortos com nomes artísticos e uma viúva de guerra, cadáveres por culpa de um animal que serve para morrer. Serão recordados pela tragédia do que poderiam ter sido se não se lhes tivesse atravessado um pitón traidor, condenados à miséria de uma história por contar, banidos pelo patetismo do potencial. O resto, esses estagnam nas praças de touros portáteis das aldeias que ninguém conseguiria situar num mapa, esquecidos em faenas medíocres, sem ter quem lhes saque a ombros nas Ventas, sem o brilho de lhes chamarem Maestro, sem mulheres bonitas, sem um nome a recordar num futuro nostálgico, sem fortuna. Os primeiros são expulsos da corrida pela eternidade pela morte, os segundos pelo público.”
    (excerto da reportagem “Tarde de Touros” publicada na Revista Atlântico de Agosto de 2006)



    Por Rititi @ 2007/03/24 | 1 Comentário »


    madonna educa o povao and i like it e

    MADONNA EDUCA O POVÃO: AND I LIKE IT

    E espero que depois desta semana tão, mas tão gaja, os hormônios me voltem ao sítio e possa viver, pela sanidade mental dos meus leitores, livre da condição. Há quem lhe chame tê-pê-eme, período, dores de barriga, menstruação, naqueles dias, a xica, hoje não estou para ninguém ou ainda puta que pariu eu dava tudo por ter barba só para não me sentir comá merda. Mas eu chamo-lhe a condição, a verdadeira essência do grelame e uma belíssima oportunidade para me conciliar com o meu lado mais feminino. E agora, se me desculpam, vou lavar a cozinha com a escova de dentes, de tampão e rolos postos e a Celine Dion no aipode, que para uma vez que não me cago em todo a deidade e parentes santeiros, tenho que aproveitar. Para a segunda-feira estarei de volta com fotos da Elsa Pataki nua na capa da Interviu que o pequeno zé manel que habita em mim também tem direito a um pouco de direito de antena. Ala!



    Por Rititi @ 2007/03/23 | 2 comentários »


    trambolhos douro miss feia no site

    TRAMBOLHOS D’OURO: MISS FEIA



    No site
    Mujer al Dia propõem a melhor maneira de sobreviver ao concurso de Miss Espanha: votar na mais feia.
    Uma boa maneira de fazer ver, perixemplo, a esta pobre desgraçada que por muito que a avó Petra, que é meio cegueta e nunca saiu de Pueblo Nuevo del Caudillo, a ache mais linda que a Nossa Senhora das Penas, ui, não é razão suficiente para perder a vergonha e aparecer meio nua, de biquini de lantejoulas e besuntada até as orelhas, em directo e para milhões de tele-espectadores, enquanto meia Espanha se desmancha a rir e faz apostas sobre as operações às mamas das candidatas a Mais Bela das Saloias. Porque, queridas todas, achar-se gira é muito importante, mas mais importante ainda é ter um espelho em casa.


    Por Rititi @ 2007/03/22 | 3 comentários »


    um bom poeta um mau cantor joaquin

    UM BOM POETA, UM MAU CANTOR

    Joaquín Sabina, ¿Quién me ha robado el mes de abril?

    En la posada del fracaso,
    donde no hay consuelo ni ascensor,
    el desamparo y la humedad
    comparten colchón
    y cuando, por la calle,
    pasa la vida, como un huracán,
    el hombre del traje gris
    saca un sucio calendario del
    bolsillo y grita
    ¿quién me ha robado el mes de abril?
    ¿Pero cómo pudo sucederme a mí?
    ¿Quién me ha robado el mes de abril?
    Lo guardaba en el cajón
    donde guardo el corazón.
    La chica de BUP casi todas
    las asignaturas suspendió
    el curso en que preñada
    aquel chaval la dejó y cuando en la pizarra
    pasa lista en profe de latín
    lágrimas de desamor
    ruedan por la página de un bloc
    y en él escribe
    ¿quién me ha robado el mes de abril?
    ¿Cómo pudo sucederme a mí?
    ¿Pero quién me ha robado el mes de abril?
    Lo guardaba en el cajón
    donde guardo el corazón.
    El marido de mi madre
    que en el último tren se largó
    con una peluquera
    veinte años menor
    y cuando exiben esas risas
    de Instamatic en París,
    derrotada en el sillón,
    se marchita viendo Falcon Crest
    mi vieja y piensa
    ¿quién me ha robado el mes de abril?
    ¿Cómo pudo sucederme a mí?
    ¿Pero quién me ha robado el mes de abril?
    Lo guardaba en el cajón
    donde guardo el corazón.



    Por Rititi @ 2007/03/21 | 2 comentários »


    trinta por cento em portugal trinta por

    TRINTA POR CENTO *

    Em Portugal trinta por cento dos deputados serão mulheres por força da lei e da maioria parlamentar. Trinta por cento, que nem é metade, nem chateia demais o cinzentismo de gravata da Assembleia e cala as vozes das feministas, essas gordas histéricas por depilar que exigem disparates como a despenalização do aborto ou a criação de mais creches públicas. Usando os valores do 25 de Abril que tanto jeitinho dão quando a valentia política não chega para mais, os responsáveis pelo desenvolvimento do meu país decidem que desta maneira absurda se resolve “esse problema” que, acham eles, é a dificuldade de acesso da mulher ao Poder. Arruma-se o decreto na prateleira das boas intenções e o país já pode continuar a debater temas de verdade, os importantes, como a falência da Segurança Social ou os filhos que ninguém quer parir, sem que nenhum dos nossos excelsos senhores deputados tenha reparado na ligação uterina desses dois assuntos à mulher.
    A metade da população do país, quando não é ignorada, é tratada com pinças, fechada num dossier que se vota, se eleva a categoria de lei e, com muita sorte, salta à imprensa como polémica fugaz. De repente não há mulher decente que se reveja no sistema de quotas, nenhuma quer ser empurrada para o gueto dos desprotegidos. Se somos iguais, porque nos querem tratar como inferiores? Acaso não estudamos, acaso não pagamos impostos e a metade da prestação da casa, da escola, da compra do supermercado, dos jantares nos restaurantes?
    O problema é que não somos iguais. A nenhum homem que eu conheça lhe perguntaram numa entrevista de emprego se tinha filhos. E a nossa República, tão masculina, está tão obcecada com o Poder que não teve os tomates para compreender que o que a nós nos tira do sério é não ter as mesmas oportunidades reais que eles. E essas oportunidades reflectem-se nas reuniões da escola, na gestão da casa, na doença dos filhos, como se o ónus da maternidade nos excluísse automaticamente de uma carreira a favor da deles. Eles caçam e nós tratamos da caverna, na esperança que as mentalidades vão mudando com tempo ou algum milagre. Mas as mentalidades também se alteram com a força da lei. A paridade não acontecerá nunca se as mulheres ganham em média quarenta por cento menos por trabalhos iguais. Essas são as percentagens que deveriam importar e não que um terço da Assembleia use saias e tenha que sair mais cedo para ir buscar os miúdos ao colégio.

    (publicado em Junho de 2006, na Revista Atlântico)

    * era mais ou menos isso, querida, que eu queria dizer



    Por Rititi @ 2007/03/20 | 6 comentários »


    momento gina piroseira e um bem

    MOMENTO GINA: A PIROSEIRA É UM BEM RELATIVO

    As Gajas Rosa Cueca, verdadeiros ícones sexuais deste blogue com mamas, são donas de fabulosos rabos, peitorais invejáveis, e, sim, ancas, carnes que sobram sem vergonha, pernas sem medo à celulite no verão e carradas de amor próprio, por muito que o público, ignorante de tanto lamber fotocópias a preto e branco de mulheres anorécticas, não alcance a compreender a razão de tanto exagero físico e penteados inexplicáveis. Morte às tísicas! Fora as comedoras de alface! E viva a Dolly, a rainha do poliéster e dos pósteres das oficinas dos subúrbios marginais, que nunca nos defrauda: toda ela laca, mamocas sobranceiras e cantando ao amor como ele é, o mais indiscretos dos sentires e que tanta falta faz ser gritado uma e outra vez em público. Endaaaaaaaai uilolues loviuuuuuuu. He dicho.



    Por Rititi @ 2007/03/19 | 3 comentários »


    grelame sem paridades bebe hoy vas ser

    GRELAME SEM PARIDADES


    Bebe

    Hoy vas a ser la mujer que te de la gana de ser, sem nivelações, paternalismos, dias especiais, trinta por cento no parlamento, feminismos institucionais e mais paneleirices do género que tanto jeito dão para ganhar votos e não solucionam rigorosamente nada.


    Por Rititi @ 2007/03/15 | 5 comentários »