Este site foi concebido para ser visto num browser dentro dos limites da caducidade: infelizmente não é o caso do seu. Assim, a sua experiência de navegação será seriamente afectada. Sugerimos a instalação de um browser mais séc. XXI, se lhe for possível: http://www.mozilla.com/firefox . Mas qualquer outro serve.

Rititi

Rititi

INÍCIO

  • ruscalleda sensations i sem fotos por

    RUSCALLEDA SENSATIONS I
    (sem fotos, por agora)

    Nun, em egípcio, significa o princípio de todas as coisas. Ou pelo menos isso foi o que nos explicou o escanção (eu prefiro sommelier, mas Mr. Pinheiro é um purista da edição) sobre o nome do Penedès de 2005 que nos acompanhou durante almoço no Sant Pau. Ai, quem me dera ser crítica gastronómica e examinar prato a prato as maravilhas do escabeche de vinagre, o esplendoroso que estava o consomé de pato e choco ou as gargalhadas que nos provocou a sobremesa “e-mail” (com @rroba e tudo). Deixo isso ao Duarte Galvão e demais especialistas em comeres. Sim, a comida do restaurante da única mulher que tem 3 estrelas Michelin em Espanha é impressionante, soberba até, e merece cada estrelinha dada. Mas não é por isso que vale a pena viajar seiscentos quilómetros, de comboio e com direito a atrasos, uma sexta feira depois de trabalhar e a cabeça cheia de trabalho e reuniões soporíferas. Comer é um direito, um acto banal e físico, indispensável e obrigatório, mas o que nos fez descer das árvores e começar a mandar no mundo dos bichos foi a exigência do extraordinário, da nossa própria excelência. E ser teimosos. Naquela casa feita restaurante, com vistas para o Mediterrâneo mais azul, o mar da luz intensa e cálida, não só se come, desfruta-se no sentido mais concreto do termo: colhemos o fruto do amor aos sabores das coisas, da beringela, do pão feito lá, dessa manteiga que tira o soluço. E hoje, compradinha a Vanity Fair de Julho, a mesma que nos alerta sobre a África faminta no meio de anúncios de cremes anti-idade, celebro a necessidade do capricho pelo estômago e penso que o mundo seria um lugar melhor se em cada garfada puséssemos a vida e tentássemos deixar para amanhã as incomodidades dos dias que tantas vezes nos parecem infinitos. Talvez seríamos mais felizes se um arroz de lavagante nos lembrasse que o princípio de todas as coisas é o comer.


    Por Rititi @ 2007/06/25 | 2 comentários »

  • Tetê Macambira / Papel de Arte says:

    AIIIIIIIIII!!!!!!!!!! bem, passada a cegueira… (geeente, é ROSA mesmo!) pude ler e me deliciar com as tuas palavras.

    Parabéns pelos teus escritos! Vontade de varar noite adentro só para te acompanhar em cada palavra, só para esperar pela tua próxima postagem.

    Contanto que eu não acabe cega…

    heheheh

  • rititi says:

    Ó tetê, que coisa! Não fique cega por minha culpa, mulé!
    Um beijo grande e obrigada pelo tamanho do elogio.

  • Leave a Reply

    Your email address will not be published. Required fields are marked *