Este site foi concebido para ser visto num browser dentro dos limites da caducidade: infelizmente não é o caso do seu. Assim, a sua experiência de navegação será seriamente afectada. Sugerimos a instalação de um browser mais séc. XXI, se lhe for possível: http://www.mozilla.com/firefox . Mas qualquer outro serve.

Rititi

Rititi

INÍCIO

  • leonor de aquitania leonor duquesa de

    LEONOR DE AQUITÂNIA

    Leonor, duquesa de Aquitânia, andava à solta. Talvez demais para o gosto do seu primeiro marido, o beato e centenas de vezes coroado pelas infidelidades da mulher, Luis VII, o rei com a virilidade mais questionada da história de França. E não porque fosse rabeta, mas sim pelas continuas afrontas da duquesa, que em vez de se manter discreta, no segundo plano que se pretendia para as grandes damas do Século XII, revolucionou camas, tratados de guerra e até uma Cruzada à Terra Santa só porque lhe apetecia. E porque podia: quando se é a mulher mais rica da época, herdeira de uma impressionante bagagem intelectual e senhora de meia Europa não é um marido que impõe os limites da cama nem do poder, e muito menos um homem como Luis VII, inseguro ante tanto alarde de vontade própria, independência económica e uma líbido sem obrigações conjugais.
    Em vez de se pôr à altura da franqueza física e moral de Leonor, Luis optou por se acobardar, aceitando tacitamente que a mulher procurasse nos braços de inúmeros amantes a compreensão e a felicidade que tanto o assustava dar-lhe a uma mulher sem pudores mentais. Ao pouco tempo e por exigência da própria Leonor, o Vaticano concedeu-lhes o divórcio. O resto da história já é conhecida: Leonor, de 29 anos e considerada velha, casou com um imberbe Henry II; deu-lhe oito filhos – ente eles Ricardo Coração de Leão e João Sem Terra – promoveu o estudo das artes e potenciou o amor cortesão, os trovadores e as lendas do Rei Artur numa Europa habitada por analfabrutos assustados com o Fim do Mundo; viveu como quis e morreu com mais de oitenta anos, feliz, rica e com todos os dentes na boca.
    Passaram-se oitocentos anos: Fernão de Magalhães e Camões orgulharam Portugal, Mozart compôs a Missa da Coroação, duas Guerras Mundiais assolaram o mundo contemporâneo, a democracia banalizou-se com a mini-saia, o frigorífico e a pílula, Herman José perdeu a piada e ainda assim continuam a causar consternação mulheres como Leonor de Aquitânia, independentes, valentes e com poder absoluto sobre o seu próprio destino.
    Com a Europa levantada como a civilização mais importante da História, curioso é observar como prevalece para as fêmeas um comportamento estereotipado em todos os âmbitos da sociedade, potenciado desde as tradições machistas até ao sistema de quotas que o politicamente correcto pretende perpetuar. E se uma mulher ignora olimpicamente os modelos impostos, ansiosa de ser indivíduo antes que uma “condição”, incorre no risco de ser recordada na História como a pior das Salomés, uma desvairada papa-homens ou simpaticamente “fogosa”. Ou então de encontrar um homem à altura, que é o que acontece na maioria das vezes a aquelas mulheres que não têm medo dos boatos nem das reuniões de beatas para serem felizes.


    Por Rititi @ 2007/09/18 | 3 comentários »

  • Luís Maia says:

    Minha cara Rititi

    Você nem deve saber que eu existo, muito embora eu a leia todos os dias, mas por certo não está é á espera de receber um cpmentário quase 3 anos depois de ter publicado o seu post. Acontece que eu sou um maluquinho por história e só agora dei por este escrito seu sobre Leonor de Aquitãnia, uma das figuras para mim mais fascinantes de Idade Média e no centro do conflito anglo-franco, que dominou a Europa durante séculos.
    O texto fez me rir, mas que diabo, você torceu factos sem necessidade, Leonor foi uma mulher superior, mas não foi ela que lhe apeteceu ir para a cruzada, nem ela que forçou a separação de Luís VII, que era claramente um burgesso à vista dela.

    A propósito não sei se viu um filme que em Portugal correu com o nome de Um leão no Inverno, interpretado pela Katharine Hepburn e pelo Peter O'Toole como Henrique II. Uma coisa fabulosa um monumento de interpretação desses monstros. É o filme da minha vida

  • hey says:

    Good replies in return of this query with real arguments and explaining all about that.|

  • dark coat says:

    Thanks for finally talking about > Rititi: O Blogue Rosa Cueca < Liked it!

  • Leave a Reply

    Your email address will not be published. Required fields are marked *

    *

    You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>