Este site foi concebido para ser visto num browser dentro dos limites da caducidade: infelizmente não é o caso do seu. Assim, a sua experiência de navegação será seriamente afectada. Sugerimos a instalação de um browser mais séc. XXI, se lhe for possível: http://www.mozilla.com/firefox . Mas qualquer outro serve.

Rititi

Rititi

INÍCIO

  • acho que esta cronica antiga faz

    ACHO QUE ESTA CRÓNICA ANTIGA FAZ SENTIDO HOJE

    FEMINISTA, EU?

    «Porque tu, no fundo, és uma feminista». Ser contra o maltrato, a mutilação genital, a burka e a descriminação salarial não faz de mim senão uma pessoa sensata e consciente dos problemas concretos do que se poderia chamar o «meu género» e não uma exaltada activista dos direitos femininos. Aliás, nem todas as mulheres estamos feitas para o feminismo (pelo menos para o conceito estereotipado e antipatriarcal). É um exercício duro, que implica o ensaio diário da desconfiança contra o meio, está mal visto pelos argumentistas de séries de televisão e – recordando o histórico visual das grandes líderes – provoca miopia, daltonismo, crescimento acelerado de pelugem na sovaqueira e flacidez nas até agora consideradas zonas eróticas femininas. São demasiados os inimigos das feministas, demasiadas as causas da opressão, demasiadas as razões para estar sempre de punho levantado e um único culpável pela desigualdade salarial, social, económica, legal, familiar, legislativa, laboral, física, educativa e sexual. Razões, bem vistas as coisas, não nos faltam para a vingança concreta e dolorosa, mas acontece que o alvo favorito das feministas é tão precioso como indispensável: o macho. E a mim, sinceramente, custa-me acreditar nas bondades de um mundo sem homens, sem futebol, sem pugilismo e sem revistas de automóveis.
    E entre as dúzias de razões que me afastam do feminismo está a falta de autocrítica a que fica reduzida este movimento, que mais facilmente prefere sentir-se vítima que reconhecer que muitos dos perigosos preconceitos machistas são transmitidos pelas mães, incapazes por educação, riqueza ou valentia de inculcar o conceito de igualdade entre os sexos. Os grandes pecados do feminismo são a excessiva condescendência com os nossos medos – uterinos ou não – e o constante apelo à maternidade para rebaixar os homens ao nível do fornecedor da semente. As fêmeas somos uma espécie de deusas da vida enquanto eles, coitados, não passam de garrafas de espermatozóides em busca de um lar. Por não falar do rumo que nos últimos tempos têm tomado alguns sectores do feminismo, que sacam as unhas para demandar o que consideram um retorno à real essência do feminino: o importante e menosprezado acto de parir. Um horror. Senão reparem. Parece ser que à «mulher de verdade» já não lhe basta com trabalhar doze horas como executiva terminator, andar sempre impecável sobre uns saltos assassinos, saber combinar cozinha japonesa com a tradição alentejana, estar casada com um Ken qualquer de classe média-alta, votar esquerda e a favor do aborto, ter três filhos poliglotas e um Audi na garagem. Atrás ficou a paridade social e a luta de sexos. Porque agora as feministas lembraram-se que afinal o que aflige a mulher é o preconceito médico, científico e até social, incapaz de entender que ter filhos é tão natural como a vida mesma, a água que corre pelos rios e o canto dos passarinhos. A classe médica, esses fascistas de bata branca, só pretende despachar o parto o mais rapidamente possível para ir jogar golf com as suas amantes as enfermeiras, fazendo uso de instrumentos medievais de tortura como o poldro obstétrico, a sala do hospital ou o corte vaginal.
    No verão de 2006 a jornalista espanhola Rosa Montero chamava a atenção desta terrível realidade na sua coluna do suplemento de domingo do El País, indignada pelo «trauma, pesadelo e sensação de maltrato» a que estão subtemidas as mulheres em Espanha e na América Latina (imagino que Portugal também entre no seu estudo de países terceiro-mundistas e brutais para as parturientes). Lá fora, na Europa civilizada, vitaminada, multicultural e oxigenada as mulheres parem naturalmente num lugar cómodo (a casa, uma tenda de campanha hippie, rodeada de baleias) e : «enquanto dura a dilatação as mães podem mexer-se cómodamente y fazer uso dos meios naturais para paliar a dor: tomar banho, receber uma massagem, sentar-se em grande bolas de borracha». O parto, imaginem, pode demorar horas (dias!), até que o bebé, se a natureza, Deus ou a massagista quiserem, nasça (vivo ou morto, com ou sem paralisia cerebral) e a mãe, essa vaca, tenha sofrido as maiores barbaridades porque em nenhum momento é aceitável a anestesia. Morte à Medicina Moderna! Viva o Matriarcado! E se a criança morrer, que caramba, a mulher pode conceber mais! Ou não é para isso que estamos?
    A mulher, concebida como uma égua, um animal, um ser menor sem curso universitário, sem cartão de contribuinte, sem compromissos sociais, sem horários, sem direitos adquiridos, é assim que a tratam estas desocupadas defensoras da suposta feminilidade natural e real. A mulher despojada de dois mil anos de civilização, reduzida à úbere e trasladada à caverna dos Cromagnon. Este é o feminismo de que renego e que não faz favor nenhum às mulheres que exigimos a paridade salarial, efectivas medidas que permitam a conciliação da vida laboral e familiar, o fim dos abusos de poder físico e sexual ou a discriminação de carácter religioso ou cultural. Feminista eu? Assim, não.
    (publicado na Revista Atlântico, Novembro de 2006)



    Por Rititi @ 2008/05/05 | 7 comentários »

  • Rita says:

    Em portugal, minha querida, é a mesma coisa. Mais um link, de uma reportagem sobre a matéria feita por uma gaja que eu conheço vagamente, eh eh eh…

    Chama-se Donas do Parto e pode ser vista aqui neste site: http://www.bionascimento.com

  • Rita says:

    Mas quando digo a mesma coisa, estou a defender o que diz a Rosa Montero. Percebo que ao ler-se aquele texto, quando a informação que temos é toda direccionada ao parto medicalizado, se entenda que é um feminismo exacerbado. Mas não é. É exactamente ao contrário. Não precisamos de parir como éguas e esperar que a Natureza decida se a cria e a progenitora vão ou não sobreviver.

    Mas também não precisamos de nos submeter a todas as ordens médicas e intervenções que fazem do parto uma doença e tratam as mulheres como incubadoras ambulantes, sem vontade e sem corpo pronto para parir. É o soro que acelera e aumenta a dor, é corte dos tecidos vaginais porque eles não podem esperar, são as induções porque os senhores doutores têm a agenda cheia.

    É que entre uma coisa e outra há um meio termo. Que é aquele que trata o que é natural como natural e o que trata os casos médicos como casos médicos. Principalmente deve evoluir-se para uma situação em que a mulher grávida deve poder fazer escolhas conscientes e informadas.

    O meu feminismo é neste sentido. Mais nenhum. E olha que eu já olhei para a epidural como a última maravilha da ciência. Afinal, mudei de ideias….

  • Ana F. says:

    Olá!
    Concordo com o que Rita disse. Como em tudo o resto, nestas questões também deve haver bom senso e não haver radicalismos.
    Pessoalmente, nunca teria um filho em casa, até porque, por muito bonito que possa ser, a verdade é que um parto é algo altamente imprevisível, mesmo quando a gravidez correu normalmente e não se prevejam, à partida, complicações. Sinto-me mais segura se for acompanhada por um obstetra do que por uma parteira.
    E, sim, se recorrer à epidural não me acho menos mulher, nem menos mãe por isso! A ideia, que me desculpam, PARVA, de que só é boa mãe quem grita a parir, já há muito que foi posta de parte, e ainda bem! É certo que a epidural tem convenientes e inconvenientes, mas isto é como em tudo, não há nada 100% maravilhoso! E entre estar cansada, cheia de dores e gritar com as contracções, e sentir alívio no momento de parir, obviamente que prefiro a segunda opção!

  • hey says:

    Hello there, You have performed a fantastic job. I’ll definitely digg it and for my part suggest to my friends. I’m confident they’ll be benefited from this site.|

  • Pretty! This has been an extremely wonderful article. Many thanks for providing these details.|

  • site says:

    Hi to all, it’s really a fastidious for me to pay a visit this website, it contains useful Information.|

  • Leave a Reply

    Your email address will not be published. Required fields are marked *

    *

    You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>