Este site foi concebido para ser visto num browser dentro dos limites da caducidade: infelizmente não é o caso do seu. Assim, a sua experiência de navegação será seriamente afectada. Sugerimos a instalação de um browser mais séc. XXI, se lhe for possível: http://www.mozilla.com/firefox . Mas qualquer outro serve.

Rititi

Rititi

INÍCIO

  • o que me faz feliz

    O QUE ME FAZ FELIZ



    Por Rititi @ 2009/05/29 | 4 comentários »


    ja faltou mais cuatro semanas de

    JÁ FALTOU MAIS

    Cuatro semanas de permiso de paternidad a partir de 2011

    Espero que estas quatro semanas de baixa paternal sejam obrigatórias, que as empresas que não respeitem este futuro direito sejam penalizadas e obrigadas a pagar multas milionárias e que as mulheres destes subchefes adoráveis que parece que nasceram das árvores tragam ao mundo carradas de filhos, todos os anos e aos pares. Então talvez a paridade deixe de ser um conceito e comece a ser considerada como a igualdade de direitos, sim, mas sobretudo de obrigações que começam, ou deveriam começar, em casa, com a criação dos filhos.



    Por Rititi @ 2009/05/27 | 10 comentários »


    lembram se desta lost fingers uma

    LEMBRAM-SE DESTA?


    THE LOST FINGERS, uma gracinha



    Por Rititi @ 2009/05/27 | 2 comentários »


    e nos pimba professora de espinho

    E NÓS PIMBA

    A professora de Espinho abrasada dos cornos, o lindo duo de peixeiras bem pagas Marinho – Moura Guedes, os Globos de Ouro (ainda estou traumatizada) onde as supostas estrelas eram velhas glórias e jovens pindéricas recauchutadas, senhores, estes seres foram os reis das notícias do nosso Portugal durante a semana passada. E nós pimba, muitas vezes e em horário nobre. Que nível.


    Por Rititi @ 2009/05/25 | 8 comentários »


    un dia gay lo tiene cualquiera gloria

    UN DÍA GAY LO TIENE CUALQUIERA


    Gloria Trevi – Todos me miran



    Por Rititi @ 2009/05/21 | 4 comentários »


    as vezes esqueco me la mala rodriguez

    ÀS VEZES ESQUEÇO-ME

    LA MALA RODRIGUEZ – TENGO UN TRATO



    Por Rititi @ 2009/05/20 | Sem comentários »


    globos douro terror no coliseu ii

    GLOBOS D’OURO: TERROR NO COLISEU (II)


    Jonathan e Kevin
    Dois rapazes esmifradinhos que trabalham num puticlube acetinado, de Valpaços.


    José António Tenente
    Eis o primeiro caso de um estilista português que se atreveu a roubar a camisa a um cigano.


    Bárbara Guimaraes
    Isto não é um rabo, é a prolongação da auto-estrada do norte. Porquê, Bárbara, porquê?


    Fátima Lopes
    Ou a consequência de passar todos os dias rodeada do velhas do Portugal profundo num estúdio de televisão.


    Bruna Polga?
    A isto a minha mãe chama-lhe ser pindérica. Até se me caíram as pestanas do susto.


    A irmã gorda do Cristiano Ronaldo
    Não há remédio quando o que falha é a matéria prima, a falta de gosto e o excesso de gordura. Cirurgia, já!


    Merche Romero
    Pelo menos sou mais magra que a gorda ali em cima. Como se isso te valesse de alguma coisa, filha.


    Diana Pereira
    Ou para que serve ser top model em Portugal.


    Catarina Wallenstein
    Uma sincera homenagem à Nossa Senhora de Fátima.


    Senhora ex-Pinto e filha
    Perfeitamente vestidas para a Festa do Lar do Reformado de Ourém.

    O PORTUGAL DAS REVISTAS

    “Num inovador estudo que urdi na varanda da minha casa enquanto pintava as unhas dos pés ao som das suites para violoncelo de Bach, cheguei à utilíssima conclusão que o desenvolvimento de um país está intimamente relacionado com as revistas do coração; não tanto com a quantidade de revistas que nesse país se editem, mas sim pela qualidade do conteúdo das mesmas. E por conteúdo não se entende outra coisa que as gentes que protagonizam as capas, as reportagens a toda página, as confissões de infidelidades e negações de encornamentos, as exclusivas e fotos “roubadas”, enfim, os seres que entretêm um povão que não pode, mas gostava de ser o protagonista de uma vida glamourosa, jovem, baixa em calorias e rica em festas onde se bebe grátis e se veste caro. Uma sociedade, portanto, também é avaliável pelos sujeitos que despertam a inveja, esse sentimento verde e asqueroso, mas primordial para compreender a História de países como Portugal ou Espanha. Ou pensavam que expulsaram os judeus porque não se convertiam?
    Que acontece então quando a qualidade é, no mínimo, duvidosa, quando o conteúdo não presta, quando o que se apresenta como exclusivo não passa de uma imitação barata de uma celebrity minimamente decente, quando quem é capa não deveria ser sequer motivo de uma notícia nas páginas a preto e branco da Hola? Então o país não vale um chavo. E vendo as nossas revistinhas lusas dedicadas às bojardas e demais assuntos de indivíduos supostamente famosos, um frio nas costas apodera-se de mim: que a Nossa Senhora da Casa Real de Saxe-Coburg-Gotha nos acuda, estamos entregues à bicharada! O nosso jet-set está reduzido a apresentadoras da televisão matinal, manequins gordas coroadas rainhas de algúm centro comercial do subúrbio almadense, alternadeiras que acusam ex-maridos de corrupção e maus-tratos em livros que abrem processos judiciais, broncos que se dizem actores (quanto mal fizeram as telenovelas de produção nacional à nossa pacata pátria, santo deus) e claro, os heróis do analfabetismo, os jogadores da bola, seres que se não ganhassem ordinarices de euros por meter golos nem lhes dirigiríamos a palavra, tal o desprezo que nos deveriam provocar os seus pontapés no dicionário e no normal sentido da estética.
    E dando uma olhadela pelas secções de sociedade da imprensa rosa, uma gaja não pode deixar de pensar que se é isto o que o povão inveja, então de nada nos valem os planos de reestruturação da Administração Pública ou o fecho das maternidades para tentar tirar Portugal da miséria moral, intelectual e psicológica em que se encontra. A única solução passaria por expulsar todas estas celebridades de terceira categoria e importar gente que cumprisse os mínimos olímpicos, já não digo do glamour, mas pelo menos de bom gosto, fineza e saber estar. E já agora, que os que nos são apresentados como seres exclusivos e únicos não fossem mais feios e pior vestidos que nós.
    Crónica publicada no Pnet Mulher, 31-03-2008



    Por Rititi @ 2009/05/19 | 12 comentários »


    trambolhos douro terror no coliseu uma

    TRAMBOLHOS D’OURO: TERROR NO COLISEU


    Uma senhora gorda que foi à festa sem o marido.

    E com muita pena, mais não posso mostrar, amigas. Tanto o Sapo como a Caras têm sites muito modernos e queridos mas nenhum deles permite copiar as imagens (ou então supera-me a nabice, que é o mais certo). Cumcaralhinho, pois é.
    Entretanto, até uma alma caridosa me enviar fotos dos Globos de Ouro nacionais, não quero deixar passar que se esta deprimente “chuva de estrelas” que pelos vistos “deslumbrou” a noite lisboeta é o melhorzinho que a gente tem, ai fodasse, então mais vale ficar à escuras durante séculos, poupadinhos de gente feia, gente gorda, gente pirosa, gente do mais ordinário, gente mal vestida, esse é o firmamento das celebrities nacionais.
    Estes são os pré-trambolhos, os claros horrores do ano:
    - Merche Romero, mascarada de si própria.
    - Ana Marques, essa rapariga feia que tanto se parece aquele jovem que fazia de criada no Herman.
    - Catarina Wallesnstein, mais a mãe.
    - Rita Durão, armada em gestora cultural do Chapitô
    - Abel Xavier, que ele sozinho já se basta.
    - José António Tenente.
    - A irmã gorda do Cristiano Ronaldo (como é que esta gente é convidada???)
    - Carolina Patrocínio, o namorado e a pele chamuscada.
    - E gente com nome e aspecto incompreensíveis como Iva Domingues, Débora Montenegro, Oceana Basilio, Claudia Jacques, Filomena Cardinali, Bruna Polga.

    Por favor, mandem-me as fotos, que isto assim perde a graça.



    Por Rititi @ 2009/05/18 | 12 comentários »


    o sistema financeiro explicado

    O SISTEMA FINANCEIRO EXPLICADO À BLOGOSFERA

    Fazendo contas à vida e à quantidade de fatos de calça e casaco que habitam o meu armário dei-me conta que já lá vão dez anos desde que aterrei no fascinante mundo financeiro. Juro que foi sem querer; não acredito que haja gente decente que de criança brincasse a ser gestor, contabilista ou gerente de banca. Mas suspeito que exista uma espécie neste universo paralelo que tantas vezes parece ignorar o mundo real que já era assim de pequena, uma fauna com um ego desmesurado que nos últimos anos se fez com o poder absoluto para gerir as tesourarias dos bancos, os fundos de investimento, as grandes fortunas nacionais e que, bem vistas as coisas, tem uma grande quota de responsabilidade neste grande imbróglio económico de contornos mundiais em que estamos metidos.
    São os analistas, os gestores de fundos, os reis do research e das análises dos indicadores macroeconómicos. Estes machos-alfa do mundo financeiro que tratam os banqueiros e chefes de governo por tu, donos de uma cultura financeira não apta para cardíacos ou despistados, apresentam-se como os gurus dos mercados interplanetários, sempre ligados às bolsas de meio mundo graças à Blackberry e às conference-calls transatlânticas como se os dias tivessem setenta e duas horas e não houvesse família, casa ou vida social que atender. Recomendo vivamente uma reunião com estes seres, pois trata-se de uma experiência impagável. Se não souber inglês, não se preocupe, a maioria dos termos que utilizam também não existe, são conceitos, interpretações da realidade aplicada a produtos financeiros sumamente complexos cuja rentabilidade estará indexada à evolução dos futuros sobre algo tão surreal como o crescimento do pepino na Papua Nova Guiné. O dinheiro, em si, não existe, flutua, aplica-se, desinveste-se, retorna e volta-se a aplicar. Outro conceito.
    Na última década estes grandes gestores foram reis e senhores dos dinheiros do mundo, aplicando capitais alheios e gerando grandes lucros através de complicadas engenharias financeiras interplanetárias. Acontece que ninguém se lembrou de fiscalizar ou pedir uma auditoria ao milagre dos pães e dos peixes. Até que o engenho pifou. Os activos estavam podres, a crise da subprime mortgage fez quebrar bancos e arruinou a Islândia, os hedge funds de Bernard L. Madoff não eram mais que uma fraude de 50.000 milhões de dólares, os Estados Unidos anunciam medidas intervencionistas soviéticas para evitar a deflação e o Fed desce as taxas de juro quase a zero, o investidor farto de perder dinheiro volta ao depósito a prazo, arregaçam-se as mangas para salvar o nosso estilo de vida e o capitalismo.
    E eles? Que é feito dos machos-alfa? Continuam agarrados à Blackberry de reunião em reunião, justificando investimentos e transferindo culpas para os investidores, de quem só cumpriam ordens. Mas se eu fosse um destes gurus, se eu dominasse tanta informação secreta, se eu acordasse todos os dias com a Bloomberg ligada ao cu, a estas alturas estaria invadida por uma imensa vergonha por não ter previsto esta crise, por ter sido incapaz de me antecipar ao fim da borbulha, por não ter questionado os ratings de algumas empresas, a credibilidade de uma série de fundos sedeados em paraísos fiscais ou rentabilidades que não se ajustavam à marcha da economia real. E o que é pior, sentir-me-ia tremendamente estúpida, quase tão ignorante como o senhor da mercearia que nunca leu o Financial Times na vida. Mas duvido que estes machos-alfa se sintam estúpidos, ignorantes, nabos ou envergonhados. A culpa, e esta é uma das máximas de qualquer gestor, é sempre do mercado.



    Por Rititi @ 2009/05/14 | 15 comentários »


    musicas para o rititi boy se dejaba

    MÚSICAS PARA O RITITI-BOY

    Se dejaba llevar por ti, uma das músicas que deram consistência à minha vida. De Antonio Vega, um poeta triste das ruas de Madrid que hoje deixou de cantar. Descansa en paz, al lado de tu chica de ayer. Seguro.


    Por Rititi @ 2009/05/12 | 1 Comentário »