Este site foi concebido para ser visto num browser dentro dos limites da caducidade: infelizmente não é o caso do seu. Assim, a sua experiência de navegação será seriamente afectada. Sugerimos a instalação de um browser mais séc. XXI, se lhe for possível: http://www.mozilla.com/firefox . Mas qualquer outro serve.

Rititi

Rititi

INÍCIO

  • premio vai ao cu ti os amigos de

    PREMIO VAI AO CU A TI: OS AMIGOS DE POLANSKI

    Um adulto que tem relações sexuais com uma criança comete um crime, seja este adulto um bom vizinho, um cabrão que bate na mulher, uma vítima da sociedade, um generoso filantropo ou um cineasta genial. É um crime nos Estados Unidos, em Portugal ou na Islândia. Outra coisa é que estes crimes de pedofilia se persigam e os pedófilos sejam castigados, ou senão que o perguntem aos putos da Casa Pia. E Roman Polanski não só violou uma miúda de treze anos, como também a drogou, confessou o crime e depois fugiu dos Estados Unidos a sete pés. Agora que foi preso na Suiça 32 anos depois, o mundo das artes reclama, indignado, uma atençãozinha especial, a liberdade incondicional e o perdão absoluto como se a condição de artista eximisse a qualquer escritor, realizador, cantor ou pintor de pacotilha de delinquir. Como se no fundo ser dono de um Oscar desse direito à absolvição, não importando a natureza ou aberração do crime, como se houvesse dois tipos de pessoas (as ungidas pelas musas da criação e o povão a quem a lei se deve aplicar por falta de amor ao cinema) artistas e cineastas, actores e ministros levantam a voz contra a América que dá medo (Mitterand dixit) e a Suiça que, vergonhosamente imaginem, se atreve a prender artistas. Ouvindo esta gentalha que se insurge contra o possível julgamento de um gajo que violou uma criança, palavra de honra, tira-se-me a vontade de ir ao cinema, de lhes pagar as entradas, de alugar DVDs e até, se me apuram, de dar uma parte dos meus impostos para a cultura. Como é lógico os crimes, para este lobby de ungidos, só prescrevem para os autores de obras de arte e nunca para padres pedófilos, carrascos da repressão de Pinochet ou guardas da campos de concentração nazi. Claro, uma criança nunca estará à altura das grandes causas universais que dão direito a manifestações às portas de igrejas e embaixadas, manifestos sofridos e concertos a favor das vítimas, e muito menos se a dita criança teve a sorte de ser violada pelo fabuloso e internacionalmente reconhecido Roman Polanski. É que uma gaja já começa a ficar farta de tanto relativismo moral, no me jodan.


    Por Rititi @ 2009/09/29 | 24 comentários »


    musicas para o rititi boy caetano

    MUSICAS PARA O RITITI BOY


    Caetano Veloso – Terra

    A baby-sitter, a quem pago 15 aurélios a hora, telefona-me histérica à uma da manhã e queixa-se que o menino tem barulhos, que não lhe dorme, que tosse um respirar seco, e que não há maneira, que faça o favor de sair do bar infecto onde se meteu e venha tratar do seu filho, faz favor que eu já não tenho braços para o embalar, coitadinho do menino. E eu, que já imagino o meu bichinho num estado de pre-convulsão asmática, abandono o meu marido e a minha querida amiga R. quando os uisques estão a saber melhor, apanho um taxi, corra, corra homem, que se me acaba o mundo, que já me dói a mim o que a ele lhe acontece. Agora, que são as 2.52 da manhã e já desembolsei uma pequena fortuna, o pequeno cabrãozinho, esse gozão de doze quilos que deu cabo dos nervos da baby-sitter, assim que me sentiu em casa, aconchegou-se no berço, fechou os olhos, e adormeceu calminho, como todas as noites. Quinze meses e já rebentou um contrato de assistência pediátrica. Mais uma destas e fica sozinho em casa, que sempre me sai mais barato.


    Por Rititi @ 2009/09/26 | 13 comentários »


    bola de cristal plaza alta de badajoz

    A Bola de Cristal, Plaza Alta de Badajoz, Carmen Rico Godoy, Elvira Lindo, Muñoz Molina, botellón aos catorze anos e os cigarros às escondidas com a minha amiga Maria, carnavais e excursões a Valência, o primeiro período, Los Toreros Muertos, Def con Dos, Heroes del Silencio, as aulas de literatura e Francisco de Quevedo, os ducados e amores que eram para sempre, a universidade, o Womad em Cáceres, mais uma caña em Sanlúcar de Barrameda, as soleás e a Semana Santa com tambores e costaleros, as ramblas de Barcelona, Mr Pinheiro à minha espera naquele apartamento de quarenta metros quadrados na Praça de Santa Ana, o 11 M, o Thyssen, a Hola, El País, o nascimento do meu filho, a tortilla de patatas, os bocadillos de calamares, o jamón ibérico e o Atléti, Cuéntame, o Retiro, os Picos de Europa, Carme Ruscalledas, Malasaña, a faena de Morante em San Isidro, o gin tónico do Cosaco, crónicas escritas ao som de Joaquin Sabina e Camarón, a minha família, os meus amigos, as minhas memórias, a minha Espanha.


    Por Rititi @ 2009/09/22 | 4 comentários »


    algo se muere en el alma cuando un

    ALGO SE MUERE EN EL ALMA CUANDO UN AMIGO SE VA


    Dirty Dancing – Final Dance – Time of my Life
    por Schutzengerl1205
    Como é possível que a blogosfera não esteja destroçada com a morte de Patrick Swayze, o macho alfa das danças de salão? Cambada de insensíveis, é o que vocês são.


    Por Rititi @ 2009/09/15 | 15 comentários »


    que bom o meu filho ja anda estou

    QUE BOM, O MEU FILHO JÁ ANDA

    Estou seriamente a pensar esconder as nódoas negras da cabeça do Rititi-Boy com maquilhagem.



    Por Rititi @ 2009/09/10 | 10 comentários »


    grandes momentos na vida de uma gaja

    GRANDES MOMENTOS NA VIDA DE UMA GAJA

    Estou na lista de blogs do Joel Neto.



    Por Rititi @ 2009/09/10 | 5 comentários »


    historias de bons nao eu nao vou

    HISTÓRIAS DE BONS

    Não, eu não vou começar este post sobre a trilogia Millenium com um já sei que isto não é um James Joyce, que Laarson nunca ganhará um Nobel, que, enfim, aquilo não é bem literatura de primeira, para depois esboçar uma desculpa infantil, sabes é que aquilo até se lê bem, e quando damos por nós já vamos pela páginas trezentos, eu até acho que deitaram droga nas páginas, imagina, com essa pose envergonhada e culpada de quem lê um best-seller quando no fundo deveria estar a queimar as pestanas com um calhamaço insuportável de algum autor eslovaco cuja família (judia/comunista/brava lutadora pelas liberdades individuais) foi vítima de enormes horrores na Segunda Guerra Mundial. A mim não me apanham por aí. Comprei o livro porque gostei do título ignorando a magnitude planetária da obra e gostei logo da história, da veracidade com que eram apresentadas as personagens, as paisagens, os mapas e as misérias familiares, gostei das incríveis capacidades sexuais de Mikael e das perseguições pela ruas de nome incompreensível, gostei da visão de uma Suecia mitificada pelo Estado do Bem-Estar e das amplas liberdades mas que no fundo é tão ou mais macabra e intrometida que qualquer país pobre e com a segurança social falida do Sul da Europa, das fantásticas aventuras em que metem os protagonistas que não são mais que seres humanos banais e com bastantes segredos escondidos na gaveta da mesinha de cabeceira. E gostei muito de Lisbeth Salander. Como gosto imenso do gastro-detective privado Pepe Carvalho e da sua versão portista, portuense e com certa tendência a criar barriga cervejeira chamada Jaime Ramos. E de Malko Linge, o agente da CIA de Gérard de Villier. Gosto de histórias de polícias, vilões, damas em apuros, histórias, que quando são bem contadas, me agarram ao livro, tenha ele um sucesso escandaloso ou seja uma surpresa na estante da Fnac, histórias que me fazem admirar os protagonistas destes romances policiais, esses bravos guerreiros perspicazes, com grande dotes para o diálogo, a vida sexual e a confrontação, curiosos e sempre com uma moralidade acima do cansaço, a dor de corno ou a ressaca. Gosto de livros que quando os acabo me fazem sentir bem, com vontade de fumar um cigarro e passar vários dias a pensar em como os bons sempre dão com a maneira de vencer os maus e vingar as vítimas indefesas. Estes são os livros que gosto, os livros cujo fim último é dar imenso prazer a quem passou dias, semanas ou meses agarrado a uma história muitíssimo bem contada.


    Por Rititi @ 2009/09/09 | 8 comentários »


    so me faltam 100 paginas go salander go

    SÓ ME FALTAM 100 PÁGINAS

    Go, Salander, go!!! Que gaja, que tomates, que graça e que maravilhosa versão adulta da Pippi das Meias Altas.



    Por Rititi @ 2009/09/08 | 1 Comentário »


    viva mario vargas llosa que seria de la

    VIVA MARIO VARGAS LLOSA!

    “¡Qué sería de la pobre Suecia sin Lisbeth Salander, esa hacker querida y entrañable! El país al que nos habíamos acostumbrado a situar, entre todos los que pueblan el planeta, como el que ha llegado a estar más cerca del ideal democrático de progreso, justicia e igualdad de oportunidades, aparece en Los hombres que no amaban a las mujeres, La chica que soñaba con una cerilla y un bidón de gasolina y La reina en el palacio de las corrientes de aire, como una sucursal del infierno, donde los jueces prevarican, los psiquiatras torturan, los policías y espías delinquen, los políticos mienten, los empresarios estafan, y tanto las instituciones y el establishment en general parecen presa de una pandemia de corrupción de proporciones priístas o fujimoristas. Menos mal que está allí esa muchacha pequeñita y esquelética, horadada de colguijos, tatuada con dragones, de pelos puercoespín, cuya arma letal no es una espada ni un revólver sino un ordenador con el que puede convertirse en Dios -bueno, en Diosa-, ser omnisciente, ubicua, violentar todas las intimidades para llegar a la verdad, y enfrentarse, con esa desdeñosa indiferencia de su carita indócil con la que oculta al mundo la infinita ternura, limpieza moral y voluntad justiciera que la habita, a los asesinos, pervertidos, traficantes y canallas que pululan a su alrededor.”

    “Lisbeth Salander debe vivir”, El País, 06/09/09



    Por Rititi @ 2009/09/06 | 4 comentários »


    entrego o meu bi e fico na mesma

    ENTREGO O MEU BI E FICO NA MESMA

    Portugal cada vez está-me mais longe, a uma distância de anos luz, se me apuram. Da Mora Guedes à Ferreira Leite, passando pelo TGV, Sócrates e o Benfica, as telenovelas da TVI, os cornos do Manel Pinho, os manifestos dos blogues de direita, os caroços da Patrocínio, as novas celebridades-gremlins que aterrorizam as discotecas pátrias no verão, a eterna campanha eleitoral em que se encontra mergulhado o país e as polémicas, as comissões de estudos e as análises de impactos, as crónicas de opinião que não há quem as leia de putos sem barba ou cama mas com muito doutoramento na prateleira, a histeria com a gripe A, o décimo quinto debate público sobre as uniões de facto, a snobeira já mais que insuportável da intelectualidade nacional a tudo o que não esteja escrito em sânscrito, as lamentações de todos esses escritores brilhantes mas ocultos no azar do anonimato ou da mediocridade cada vez que uma gaja publica os textos do blogue e, sobretudo, essa nova portugalidade que compra porches a prestações fazem-me sentir cada dia menos portuguesa, mais distante dessa terra que uma vez foi minha casa, mais orfã de país, de raízes, de Portugal. Sou uma estrangeira que transmite ao filho uma língua de um país que não me diz nada.


    Por Rititi @ 2009/09/03 | 21 comentários »