Este site foi concebido para ser visto num browser dentro dos limites da caducidade: infelizmente não é o caso do seu. Assim, a sua experiência de navegação será seriamente afectada. Sugerimos a instalação de um browser mais séc. XXI, se lhe for possível: http://www.mozilla.com/firefox . Mas qualquer outro serve.

Rititi

Rititi

INÍCIO

  • PRÉMIO VAI AO CU A TI: MINISTRA LEIRE PAJÍN

    O maior problema da Espanha não é o desemprego, a ETA, o desgaste social, a emigração ilegal ou o deterioro da economia. Não, o maior problema de Espanha é a péssima qualidade da classe política. Gente sem mais preparação que uma carreira dentro do aparato do partido, sem experiência no mundo laboral, patrocinada pelos impostos dos cidadãos cuja realidade nem conhece nem pretende conhecer e cujo quotidiano teima em legislar inspirada por epifanias que roçam o ridículo e que provocariam a gargalhada geral se não tivessem essas ocorrências estafúrdias carácter legal e afectassem o dia-a-dia da cidadania. E Zapatero, o Iluminado, tem-se rodeado, ao longo destas sete anos de governo, de seres cheios de ideias brilhantes, defensores incansáveis da paridade, da igualdade, da integração, do civismo, tudo em maiúsculas para que se note bem quão democratas são, quão progressistas os seus ideais, quão preocupados estão pelos ataques à cidadania, mesmo que a cidadania, essa massa disforme, se esteja bem a cagar para a esta batalha em prol dos seus direitos. Depois da Comissão para a Racionalização dos Horários Espanhóis, dessa aberração por inepta e incapaz que foi a ex-ministra de Igualdade Bibiana Aído (para quem dizer que uma mulher é “membro” de uma associação é sinal inequívoca do machismo histórico que assola as nossas sociedades), da luta contra o tabaco que finalizou numa lei que trata os fumadores como cães sarnosos sem direitos, do desleixo e má-fé no tratamento das corridas de touros, da cruzada contra a gordura nos hambúrgueres, o sal na mesa e o álcool nas ruas, agora chegou a vez “criar uma sociedade que não permita que ninguém se sinta humilhado. Uma sociedade onde sentir-se seguro e amparado pela lei“, segundo palavras da nova Ministra da Saúde, Política Social e Igualdade, Leire Pajín, uma miúda de 34 anos que deu o salto das juventudes socialistas para o mundo, e o mundo que se foda. Sim, criar uma nova sociedade, porque a que temos, segundo os valores deste novo socialismo de betos com grandes causas e pouco calo nas mãos, não presta, é má, é injusta, trata mal o gordo, humilha o preto, ridiculiza o paneleiro, conta anedotas de feias, de anões, de cegos, de manetas, de sogras, de alentejanos, de gajas que não sabem estacionar, de ejaculadores precoces, de todos, porque todos somos susceptíveis de ser gozados, e por tanto de ser humilhados, por muito que lhe doa à ministra Pajín e ao conjunto de ideólogos do admirável mundo novo. Graças a esta cabecinha pensadora será aprovado este Anteprojecto de Lei Integral para la Igualdade de Tratamento e a Não discriminação e a partir de esse dia veremos miúdas de metro e meio e oitenta quilos a denunciar agências de modelos porque não foram aceites para um anúncio de biquinis, ou televisões obrigadas a contratar gagos para pivôs dos telejornais ou travestis a dar aulas de religião e moral nos colégios. O importante é que todos tenham direito a ser o que queiram na vida, sem terem medo a serem humilhados por uma negativa. Diremos adeus às imitações dos Morancos de maricas, aos monólgos de Buenafuente e eu própria deixarei de escrever sobre Espanha e até sobre os trambolhos, não vá uma gaja qualquer sentir-se ofendida se escrevo mal do vestido. Mas teremos uma sociedade nova e melhor, onde finalmente a gorda caixa de óculos que se fartou de ser gozada no liceu, a ressentida que via como as colegas curtiam sempre com os mais giros da turma enquanto ela passava as tardes de sábado a colar cartazes da associação de estudantes, terá a sua vingança e arranjará namorado por decreto-lei num bar de não fumadores onde só se ouvirão grupos musicais paritários e não discriminatórios. Olha, essa é a ministra. Está tudo explicado.



    Por Rititi @ 2011/01/25 | 5 comentários »

  • Ana Martins says:

    A revolta dos “rebarbados” em Espanha está em marcha?
    …gostei imenso da crónica, como sempre!
    Parabéns rititi!
    You make my day!

  • Ana Lisboa says:

    O que me chateia é que esta nova e verdadeiramente brilhante sociedade não perceba o poder terapêutica e curativa de levar uma nega.
    É preciso aprender a lidar coma frustração, caso contrário essa coisa boa que se apelida de resiliência e que serve para mais do aceitar negas e humilhações, que serve para começar de novo quando tudo já caíu, desapareceu ou deixou de existir, deixará ela própria de existir, de se desenvolver e em última análise de fazer sentido numa sociedade ideal como essas…
    Ideias brilhantes sem dúvida. Como é que ninguém se lembrou antes???

  • sibila says:

    uma mulher trai porque é mal amada e precisa de amor tanto como uma mulher ingressa na “defesa” dos feios por ter sido feia na adolescência. santa coerência, ora pro nobis.

  • Espiral says:

    Não sei o que me assusta mais: uma ministra que pensa que com esse tipo de leis vai a algum lado (não vai, a humanidade é isso mesmo, humana, e esse tipo de coisas acontecem), ou o teor do texto em que se mistura “injustiça” “frustração” “inveja” “maldade” “desigualdades”, juntamente com meia dúzia de exemplos que nada têm a ver uns com os outros nunca grande panela…

    Fora isso, texto bem escrito.

  • Kldssd says:

    I also think thus, perfectly pent post!

  • Leave a Reply

    Your email address will not be published. Required fields are marked *

    *

    You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>