Este site foi concebido para ser visto num browser dentro dos limites da caducidade: infelizmente não é o caso do seu. Assim, a sua experiência de navegação será seriamente afectada. Sugerimos a instalação de um browser mais séc. XXI, se lhe for possível: http://www.mozilla.com/firefox . Mas qualquer outro serve.

Rititi

Rititi

INÍCIO

  • Trambolhos Reais II

    Um casamento real não é a cerimónia dos Oscar, nem a entrega de uns prémios da música  num subúrbio de Los Angeles. Aqui os convidados não são (ou não deveriam ser) famosos do momento, celebrities de revista e reportagens natalícias na Caras. São de outro calibre. Gente classuda. Como a Rainha. A Rainha pode-se vestir de amarelo (ou verde ou laranja) porque está feita de uma pasta diferente que o resto da humanidade. Ia perfeita com o seu chapéu e os seus sapatinhos cómodos. Ou a Camilla, a bruxa má desta história, simplesmente fabulosa vestida de senhora feia com estilo campestre.  Até a Princesa Ana estava fina, ela que parecia que tinha reciclado os cortinados de palácio para fazer o vestido. Gosto dos royalties ingleses, desses condes e duques rurais com cinco apelidos, gosto das ladys e dos seus chapéus absurdos em forma de barco. Têm pinta. Têm um sotaque fabuloso. Têm graça natural. Têm dinheiro e património e criadagem herdada dos bisavós. Suficiente para me declarar fã.

    Podemos agradecer as grandes cagadas do casamento às afluentes, às burguesas endinheiradas, às consortes com manias de grandeza, em resumo, ao povão.

    Chelsy Davy acordou com uma ressaca de tal magnitude que vestiu a mesma roupa que no dia anterior, enxovalhada e com a bainha descosida e nem tempo teve a desgraçada para se maquilhar e pentear-se. Ou então é uma porcalhona de cuidado.

    A Grande Duquesa do Luxemburgo não dá uma para a caixa. A gente sabe que é baixinha e mal enjorcada, o que não deve ser nada simpático quando se coincide com uma Mary Donaldson ou uma Letizia numa reuniões de princesas europeias. Mas isso não é desculpa para se vestir de secretária com um conjuntinho baratuxo comprado nos saldos das Modas Lenita lá em Santa Iria da Azóia.

    Alguém lhe diga à mulher do Nick Clegg, a espanhola Miriam González, que existem cuecas sem elástico que não lhe marcam o cu de pera. Cuecas de cor de carne. Ou até podia ir sem cuecas. Ou directamente não ir para ir nestes preparos.

    Letizia, a mortiça e sonsa aspirante ao lugar da Rania da Jordania. Sopeirona mesmo. Se este é o futuro da Monarquia espanhola que venha já a República.



    Por Rititi @ 2011/04/30 | 5 comentários »

  • Tenta compreender uma coisa Rititi. Em Portugal as convidadas procuram comprar sempre os vestidos mais deslumbrantes para roubar o protagonismo e as atenções da noiva. Em Inglaterra também poderão tentar fazer o mesmo em muitos casamentos, mas ninguém se atreve a fazer essa graçinha num casamento real.
    Há erros que se pagam caro. Não sei se consegui me fazer entender…

  • hey says:

    Hi, I would like to subscribe for this webpage to take most up-to-date updates, so where can i do it please assist.|

  • Hello, after reading this remarkable piece of writing i am too delighted to share my experience here with colleagues.|

  • This is my first time visit at here and i am genuinely impressed to read all at single place.|

  • Leave a Reply

    Your email address will not be published. Required fields are marked *

    *

    You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>