Este site foi concebido para ser visto num browser dentro dos limites da caducidade: infelizmente não é o caso do seu. Assim, a sua experiência de navegação será seriamente afectada. Sugerimos a instalação de um browser mais séc. XXI, se lhe for possível: http://www.mozilla.com/firefox . Mas qualquer outro serve.

Rititi

Rititi

INÍCIO

  • À falta de tempo para escrever deixo-vos este belíssimo texto da Ana Margarida Craveiro

    Evidências que não o são – condição feminina

    Surpreende-me que em pleno século XXI ainda seja preciso discutir este género de questões:

    1. em Portugal, um violador de uma grávida de 8 meses (pior, um prestador de cuidados médicos) sai impune, porque a juíza considera que não houve violência (é a chamada violação gentil, ou com jeitinho). Como se uma violação não fosse violência suficiente.

    2. em Inglaterra, discute-se a diferença entre violação a sério, e violação mais ou menos (parece que há umas que têm vontade de ser violadas).

    3. em França (e também por aqui), um homem poderoso é um santo, e tudo o que faz em privado são meros pecadilhos (incluindo a tentativa de violação). A polícia e o sistema judicial são abusadores deste mesmo homem, ou jogadores numa teoria internacional de conspiração. A vítima? Não interessa nada, é só uma empregada de hotel.

    Um problema europeu? Pois, parece bem que sim. Na Europa, aparentemente é perigoso ser-se mulher. E eu confesso que não o sabia.

    (no Delito de Opinião)



    Por Rititi @ 2011/05/19 | 2 comentários »

  • p D s says:

    Como diria o outro: “Olhe que não, olhe que não…”

    Nem sempre assim será, pelo menos neste “cantinho” tão peculiar. Se não acredita, veja bem:

    Procurador liberta colega que conduzia alcoolizada
    Francisca Costa Santos, a procuradora libertada, conduzia em contramão com 3,08 g/l de álcool”
    - in : http://www.cmjornal.xl.pt/detalhe/noticias/exclusivo-cm/procurador-liberta-colega-que-conduzia-alcoolizada

    ================================================================
    Agora um pouco mais sério: Apesar de considerar que os exemplos que apresenta são bem válidos e demonstrativos, parece-me que o mal não é “exclusivamente” direccionados ás Mulheres. Creio que é mais um problema de “fracos” e “fortes”…sendo que os lobbies e poderosos tendem cada vez mais a condicionar/moldar a Justiça á luz dos seus interesses!

    Embora concorde que as Mulheres continuam muitas das vezes a ser prejudicadas, parece-me que neste momento o problema é mais profundo e generico, não se limitando apenas a uma questão de sexo.

  • Olha Rititi , eu q saiba q andas com falta de tempo pq te andas a abanicar lá na Feria de San Isidro ;) ….. fico roídinha de inbeja ;)

  • Leave a Reply

    Your email address will not be published. Required fields are marked *

    *

    You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>