Este site foi concebido para ser visto num browser dentro dos limites da caducidade: infelizmente não é o caso do seu. Assim, a sua experiência de navegação será seriamente afectada. Sugerimos a instalação de um browser mais séc. XXI, se lhe for possível: http://www.mozilla.com/firefox . Mas qualquer outro serve.

Rititi

Rititi

INÍCIO

  • PENTHOUSE DE FEVEREIRO: QUANDO ELAS FINGEM

    Rapaz conhece rapariga. Rapaz acha piada à rapariga. Rapaz faz o cortejo do costume e, depois de três cinemas, oitenta euros em jantares e uma tarde com as chatas das amigas, rapariga também acaba por achar piada ao rapaz. Rapaz dá beijinhos. Rapariga dá beijinhos. Rapaz tenta meter a mão debaixo da camisola. Rapariga diz que ela é uma moça séria. Rapaz almoça ao domingo com os pais da rapariga e ainda tem direito a visitar a avó paralítica no lar da terceira idade. Rapariga deixa meter a mão debaixo da camisola. Rapaz prepara noite romântica com velinhas e bombons num hotel com boas referências e longe das amigas, os pais e a avó paralítica. Rapariga estreia lingerie sexy como aquela da Luisa Beirão no anúncio da Triumph. Rapaz toma banho e passa pela farmácia para se abastecer com uma dúzia de preservativos XXL, ultra touch e hiper sensitive plus. Rapaz e rapariga fazem o que têm a fazer com muito cuidado para ficarem com uma bonita recordação da sua primeira e apaixonada vez. Rapaz esforça-se. Rapariga gosta mesmo do rapaz mas o rapaz não parece estar a esforçar-se na boa direcção. Rapariga tenta indicar. Rapaz não atina. Rapariga não pode acreditar que aquilo lhe esteja a acontecer. Rapaz acaba o que tem que acabar. Rapariga nem sequer viu uma luzinha ao fundo do túnel. “Gostaste, meu amor?”, pergunta ele. E ela depois dos cinemas, dos jantares, das amigas, do almoço com os pais e da visita à avó paralítica, depois da noite romântica e das velinhas, da cuequinha de fio dental e do sutiã almofadado, da expectativa, ela responde “sim querido, gostei muito”.

    Esta rapariga faz parte dos 60 por cento das mulheres que segundo a Universidade Oackland finge os orgasmos. Num original estudo (bocejos) sobre a sexualidade feminina (meu deus!) uns cientistas com as paredes cheias de diplomas entrevistaram 453 mulheres com o legítimo propósito de averiguar de uma uma vez por todas porquê elas dizem que sim quando a resposta deveria ser: “ó pá, se queres mesmo saber, a verdade é que foi uma grandessíssima bosta, não deste uma para a caixa, caneco, agradeço o esforço mas, francamente, para isto tinha ficado quietinha a comer chocolate que pelo menos sempre tinha gozado alguma coisa”. Mas não, elas fingem. E fazem-no, dizem os resultados deste inquérito, para manter o homem interessado e excitado e assim evitar uma possível infidelidade. E o estudo ainda vai mais longe: estas mulheres usam a manipulação para reter os gajos e as que mais mentem são as que depois continuam a maquinar outros estratagemas para evitar que os namorados as abandonem. Credo. Homens deste mundo: mais vale que aprendam a distinguir entre um verdadeiro orgasmo e esse gemido fingido e histérico que começa, que coincidência vejam só, quando vocês estão quase quase a chegar. Não tenham cuidado, não.

    E vocês, raparigas, escutem bem o que eu vos digo: a idade média das criaturas entrevistadas é de 21 anos. 21 anos, que horror! A esta idade as miúdas (sim, vocês) têm é que namorar. E namorar é provar, descartar, escolher, ir saltitando de cama em cama e, sobretudo, aplicar o verdadeiro método científico da prova-erro. O gajo até pode ser um bacano, um querido e um indivíduo realmente simpático, mas se vocês ficam a meio caminho, ou não sentem nada, se ficam com essa sensação de “porra, que desperdício” então têm bom remédio: ou dizem a verdade ou então partem para outra. Mas mentir? Não serve para nada, palavra de honra, e muito menos se a ideia é “reter” o gajo. Isto é só garantia de uma penosa e triste eternidade de mau sexo. E não há homem que mereça tanto sacrifício.



    Por Rititi @ 2012/03/28 | 8 comentários »

  • Salvador says:

    Uma boa noite, Rititi…))

    Epá, eu não percebo nada de sexo e deve haver uns 20 anos que não tenho uma ralação sexual. Mas pelo que me lembro, quando a coisa se dá – leia-se o orgasmo no feminino – sentem-se as contracções da vulva no pénis. Ah, e parece que algumas até ejaculam e aí sim, não há hipótese alguma de o fingir…. rsrsr.

  • Fuschia says:

    Mas também se elas nunca disserem a verdade, eles não vão saber. E provavelmente há homens que em todas as relações nunca tiveram uma mulher sincera que lhes dissesse o quanto estão atrás no campeonato.

  • Paula Mendes says:

    Pergunto-me se isso não terá mais a ver com uma certa ideia de ” o que é que está errado comigo”?

  • Nana Abrahão says:

    Bravo, bravo, bravo! Disse tudo Rititi!

  • Sara says:

    Rititi, que nunca te doam os dedinhos para escrever as verdades!! Rititi a presidente!

  • Marianna F. says:

    Tendo lido o blog poucas vezes, apenas aquando de intrigas blogosféricas, quer-me a mim parecer que isto “E namorar é provar, descartar, escolher, ir saltitando de cama em cama” vai dar que falar ahah
    Não sou da opinião extrema que, vá, temos que andar a saltitar de cama em cama, mas realmente fingir um orgasmo e ter de fazê-lo o resto da vida também não é aceitável. Acho que a sinceridade é realmente o pilar das relações, quem não sabe entender-se bem na cama e falar abertamente de sexo com o companheiro dificilmente vai ver, pelo menos esse campo, preenchido…

  • Ana says:

    oh pá! que palavras tão sábias!!!
    que espaço fantástico!!!!
    é tão bom saber que há pessoas assim!
    =)
    keep it up

  • Miúda says:

    ahahah! ainda não tinha lido este texto!
    Fantástica, rititi! como sempre! :)

  • Leave a Reply

    Your email address will not be published. Required fields are marked *

    *

    You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>