Este site foi concebido para ser visto num browser dentro dos limites da caducidade: infelizmente não é o caso do seu. Assim, a sua experiência de navegação será seriamente afectada. Sugerimos a instalação de um browser mais séc. XXI, se lhe for possível: http://www.mozilla.com/firefox . Mas qualquer outro serve.

Rititi

Rititi

INÍCIO

  • Hopper no Thyssen

    Hotel Room - 1931

    O que lê esta mulher, sentada na cama, com as malas por desfazer e a roupa tão bem dobrada sobre o sofá do quarto do hotel? De onde vem? O que lhe aconteceu para estar a estas horas fora de casa? Porquê está triste, que notícias terá recebido? Onde estão os chinelos e porquê tanta urgência em ler a nota que nem sequer desfez o penteado e vestiu a camisa de dormir? O que traz nas malas? Isto é Hopper, no Thyssen, pedaços de histórias penduradas na parede à espera de transeuntes curiosos de saber porquê aquela gente sentada no People in the Sun tem um ar tão só apesar de estar em grupo, ou que escuros assuntos debaterão os integrantes do The Conference in the Night. Por isto é que gostamos de Hopper, entrega-nos fotogramas de filmes que todos já vimos, de que somos parte, dessa América a que todos pertencemos porque já a vimos no cinema. Cheguei à exposição com o Brad Mehldau nos headphones, passeei entre paisagens do Maine e a casa em que o Hitchcock se inspirou para o Psychosis, ouvi o “Send me in the clowns” do Frank Sinatra enquanto observava o Two Comedians e finalmente sentei-me em frente ao que é o meu quadro favorito: o “Martha McKeen” of Wellfleet.

    As gaivotas no banco de areia, o mar azul de uma manhã fresca, os corpos atléticos dos tripulantes, o vento sobre as ondas, as velas que se esforçam por continuar a velejar, a luz. O meu barquinho à vela. A minha tarde de ócio. O meu quadro preferido. Sentada, expectante, solitária no meio do Thyssen, com o Martha só para mim, personagem também eu de um quadro de Hopper. Em que estaria eu pensando?



    Por Rititi @ 2012/07/12 | 3 comentários »

  • Juanna says:

    Também fomos ver, não aprecio H por aí além mas esse do barco e um esboço também de um barco impressionaram-me sobremaneira. Ah e um de um amanhecer. A minha filha mais velha bufava de tédio, está na fase de achar que museu são seca. Um dia agradecer-me-á, tal como eu fiz com a minha mãe.

  • Baby Q says:

    :) que comentário bonito…realmente, quando vejo alguém assim sentado num museu, super calmo e observando apenas, penso sempre que está a descansar as pernas (sobretudo se for velhote…) ou à espera de alguém ficou para traz noutra ala, mas pode estar apenas pensando, não é? como eu faço! Ou como: em que estaria a Rititi pensando?

  • Paula says:

    Não conhecia Hopper, mas fiquei com uma forte sensação que a Senhora sozinha no quarto está pronta para sair e não a acabar de chegar. Arrumou tudo, arranjou-se e só falta vestir-se, calçar-se, colocar o chapéu… depois de ler a nota e tomar uma decisão.
    Gostei dos quadros.

  • Leave a Reply

    Your email address will not be published. Required fields are marked *

    *

    You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>