Este site foi concebido para ser visto num browser dentro dos limites da caducidade: infelizmente não é o caso do seu. Assim, a sua experiência de navegação será seriamente afectada. Sugerimos a instalação de um browser mais séc. XXI, se lhe for possível: http://www.mozilla.com/firefox . Mas qualquer outro serve.

Rititi

Rititi

INÍCIO

  • O aborto, outra vez

    Neste Agosto madrileno, quente e de ruas vazias, com os vizinhos na praia e os meus filhos no Alentejo, os dias passam lentos, como que desocupados, mesmo que às oito da manhã tenha já o cu sentado na secretária em frente ao monitor . Acontecem os dias de Agosto com os seus Jogos Olímpicos, a crise do euros e da dívida, da Síria, com mortos na televisão por tiroteios de loucos desfasados e com esse eterno incêndio que nunca se apaga e que cada ano vai incinerando o nosso futuro. Estamos adormecidos em Agosto, os que trabalhamos com a rotina dos autocarros e dos e-mails, os que estão de férias com os pés soltos, livres de saltos e das correrias dos pequenos almoços e dos colégios que fecham antes que o trabalho. E há quem se aproveite desta sonolência: especuladores, amantes, programadores de televisão e políticos. E há um político espanhol que tem a convicção que o verão nos aparvalha: chama-se Alberto Ruiz Gallardón e é o Ministro de Justiça.  Enquanto foi Presidente da Câmara de Madrid a ninguém lhe importou que endividasse a capital até níveis pornográficos, nem que substituísse as árvores das alamedas e da praças pelo granito frio, nem muito menos que fosse um ultra-católico com antepassados membros do regime franquista (às vezes a sonolência não é só questão estival, trata-se só da ausência de consciência civil). Gallardón sentou-se na sua cadeira do seu ministério e de ali começou a sua Cruzada pessoal nesta Espanha endividada, arruinada, entristecida e sem mais futuro que o resgate: modificar a lei do aborto.  Os fetos têm direitos. Direito a não serem abortados, mesmo que venham com graves mal-formações, porque os mal-formados também devem nascer, independentemente que durem 2 horas ou 2 décadas em condições lamentáveis, agarrados a uma máquina ou ao destino de uma mãe que não teve direito a decidir uma vida digna, não para ela, mas para o filho que lhe mal-crescia no ventre. Este senhor diz-se católico e  agora (talvez inspirado pela cabronice congénita de uns gajos que, sem ter sexo, nem filhos nem casa ou mulher que amar, tentam ordenar sobre a vida dos outros) programa legislar sobre o mais íntimo, sagrado e pessoal que poderá nunca ter uma mulher, a maternidade. Em Espanha, se este homem tão pouco cristão conseguir concretizar os seu sonho, a livre vontade da mulher ficará anulada e crianças, e toda a sua família, estarão condenadas a mal viver, porque assim é a lei de Deus, ou do raio que o parta. Nem os critérios dos médicos seriam válidos se esta lei se materializa. Imagino que daqui a pouco tempo saberemos que nem a violação será uma justificação para abortar. Se numa democracia nunca aceitaríamos que um muçulmano  fundamentalista nos impusesse as suas convicções religiosas, porquê deveremos aceitar que um ultra-católico legisle segundo a sua moral? São mais válidas as teorias católicas sobre a sexualidade e a natalidade que a dos muçulmanos só porque estamos mais habituados? E afinal quem tem que se adaptar a quem? O conjunto da sociedade democrática aos parâmetros da Curia Católica ou ao contrário? Que alguém queira ser do clube dos padres é obrigatório? Aliás, é obrigatório abortar? Não. Aborta quem quer. Nem sequer se trata de um assunto religioso. Trata-se de uma decisão íntima, pessoal, livre e, em última instância, da mulher. Assim são as nossas regras, as dos democratas, as dos cidadãos livres. Não será um padreco com aspirações a um lugar no santoral quem decida por mim, pelo futuro da minha família, dos meus filhos. Este é o PP que nos governa em Espanha, um partido que me acha inferior ao homem e portanto incapaz de tomar decisões conscientes e que necessitaria sempre a tutela superior. Acaso estes homens nunca desistirão de tentar controlar o destino das mulheres, a minha vida, o meu direito a decidir quando quero ter um filho e em quais condições? Proibir o aborto é obrigar a ter um filho que não se quer ou não se pode ter. E não me venham com sermões sobre mulheres que abortaram e se arrependeram, casos de deficientes bem sucedidos e histórias de lagriminha fácil para a TVI. Não, minha gente, não. O aborto é um tema demasiado sério para demagogias bacocas e cantorias de grupos de catequistas. Aqui não.



    Por Rititi @ 2012/08/06 | 10 comentários »

  • maria says:

    100% de acordo.

  • raquel says:

    Carregadíssima de razão, só é pena ter um erro: escreve-se rotina e não rutina. Cumprimentos

  • MP says:

    Pra escrever esta merda estavas calada-quero dizer…quieta!

  • Bernardo Rodrigues says:

    A direita religiosa e’ das coisa mais obscenas e fascistas que polui uma sociedade. Esta mania totalitaria de querer controlar o individuo, o que pensam, no que acreditam, da’ vomitos. A esquerda-coco tambem tem uns tiques, com os seus politicamente correctos, mas ao menos e’ bastante mais inoqua…
    Ha que se revoltar e desmascarar estes gajos (e gajas, que tambem as ha’), mostrar que o rei vai nu e que por detras de cada homofobo ha um homosexual ressabiado, por detras de cada fundamentalista religioso como o Sr. Gallardon ha’ um fascisoide misogino e frustrado.
    Espero que haja cojones suficientes em Espanha para meter estes cabroes no sitio.

  • Paula says:

    Não teria dito melhor, concordo 100%.

  • sandra says:

    Concerteza a lei do aborto só deve ser válida quando é um padre a engravidar… pois assim será o ideal! Porque existem muitos filhos de padre aí a “circular”…

    Sandra

  • Rafael says:

    O texto, lamentavelmente, contém várias gralhas e discordâncias nas frases a nível do plural/singular, necessitando, por isso, de uma revisão mais cuidada.

  • Não poderia estar mais de acordo!
    Todo o tipo de fundamentalismo é terror; convém não esquecer a Inquisição.
    Mais uma vez a necessidade de controlar as mulheres e as suas decisões.
    Atraves dos tempos temos sido perseguidas em muitas frentes com a desculpa de que é para nossa protecção; fala-se da inveja do pénis e nunca da inveja da maternidade, este poder supremo para conceber uma vida.

  • Li O says:

    Como leitor assíduo acharia, que, sobre o tema, bastava um simples “vão morrer longe”. Depois de ler alguns comentários acho o texto pertinente, e sobre esses comentadores “vão morrer longe”!

  • Juanna says:

    Depois de várias, muitas, semanas fora e sem acesso à internet, volto a Madrid e deparo-me com esta pérola. Obrigada, Rita.

  • Leave a Reply

    Your email address will not be published. Required fields are marked *

    *

    You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>