Este site foi concebido para ser visto num browser dentro dos limites da caducidade: infelizmente não é o caso do seu. Assim, a sua experiência de navegação será seriamente afectada. Sugerimos a instalação de um browser mais séc. XXI, se lhe for possível: http://www.mozilla.com/firefox . Mas qualquer outro serve.

Rititi

Rititi

INÍCIO

  • A realidade deixa-me louca

    Eu sei que vos devo muitos textos. O Papa Francisco. Chipre. O Mourinho. Madrid. As procissões. Coreia do Norte. Grandes textos que nunca escrevi. Como a constituição como arguida da filha do Rei de Espanha, a Cristina, no caso onde o marido, o ex-jugador de andebol (andebolista?), ex-guapo e ex-favorito Urdangarín, está acusado de desviar milhões de euros de dinheiro público e, já que estava com as mãos na massa, de fraude fiscal. Até hoje nem o juiz nem o procurador tinham tido os tomates de a chamar a declarar, quanto mais transformar uma Borbón de primeira linha em arguida, argumentando sempre que o papel da filha do rei era meramente formal, nunca executivo, nas fundações que – supostamente – tinham como único fim roubar fundos públicos. Urdangarín está fartinho de jurar que a mulher não sabia nada-de-nada sobre os negócios, pactos y convénios assinados pelas fundações, apesar de estar nas Juntas Directivas e de ter poder de voto e decisão. Talvez essa coisa de “a minha mulher só assinava, mas não lia” ainda funcione em certas tardes de bridge e criada interna, mas um juiz não tem nada a ver com o anacronismo de género ou linhagem monárquica. Quem assina é imputável. Aqui o único inimputável é o Rei, assine, mate elefantes ou tenha uma  amante alemã depositada na casinha do jardim do Pardo e que negoceia em nome de Espanha com petro-magnates russos. E então dia 27 de Abril lá irá a Cristina Federica de Borbón y Grecia ao tribunal, responder, como uma cidadã (que não contribuinte) mais às perguntas do juiz Castro. Incrível. Como não escrever sobre isto? Acharia realmente o semental Urdangarín que ninguém o apanharia a defraudar, que poderia enriquecer-se sem que ninguém desse por isso? E a Cristina, credo? Só alguém que nunca viveu do fruto do seu trabalho poderia acreditar que um ex-jogador de andebol com o décimo segundo ano ficaria multimilionário em dez anos. Ser Infanta de Espanha é sinónimo de imbecilidade? Não lhe basta ser a filha do Rei, princesa ou infanta, herdeira de favores, privilégios, vénias e trabalhos super remunerados? Quem faz mais pela República neste caso: os porta-bandeiras dos costume ou quem desonra a instituição, a sua própria casa, a sua família? Impressionante, nem nos seus sonhos mais húmidos os membros do comité central do PC espanhol teriam imaginado que a Monarquia seria dinamitada desde dentro. Cambada. Um Rei que se nega a abdicar e uma Rainha a viver em Londres como se isto não fosse com ela. Não posso deixar de pensar na Letizia, aquela que acabaria com a Monarquia, aquela que não estava preparada nem à altura e que não tinha sido educada para um lugar destes, aquela que não saberia ver o limites. Pois. Aquela que a maior merda que fez foi transformar a sua cara e a forma de falar com Príncipe. Nada acontecerá à Cristina, claro está, nem sequer ao Urdangarín. O Rei morrerá sentado no trono e os seus filhos herdarão uma fortuna que segundo o NYT poderia chegar aos 1.800 milhões de Euros. Ao Príncipe, se não for Rei, trabalho não lhe faltará, nem que seja só por causa da sua agenda. Por tanto e como já dizia o outro, é preciso que tudo mude para que nada mude. Se apetece escrever sobre a Monarquia? Então não! Era mulher para escrever uma série sobre ela para uma revista, do género “Borbones, de bestiais a bestas e tal”. Se vivesse em Portugal até me podiam contratar para os programas da tarde como “especialista na Monarquia Espanhola”, ao lado da Maia (ainda existe?) e do Cláudio Ramos. Bem era capaz de dedicar um monográfico à Corinna, a nova Barbie feminista do mundo dos negócios, para uma revista séria, como a Lux. Enfim. Não me posso pôr a escrever, que me distraio. Se não me contratam na Lux esta semana ainda vos venho contar sobre a Corinna (e aqui ficava tão bem “a puta fina” mas uma gaja não quer levar com um processo nos cornos, já sabem).



    Por Rititi @ 2013/04/03 | 12 comentários »

  • rosaamarela says:

    BOM! BOM!!! BOM!!!!!!!!!

  • TheEmpresss says:

    Muito bom, já tinha saudades de um texto destes :)

  • Maria says:

    Ha valido la piena esperar por esté textio!

  • Juanna says:

    Por Dios, hija, que te pasa? Tú no sabes que la mujer no sabe leer? Que firma con una equis? lololol Óptimo, óptimo!

  • s. says:

    orgasmo mental

  • Helena says:

    Parabéns, muito bom.

  • Ó por favor, escreve! Escreve pá’frente!!
    ;)

  • DN says:

    Antes de vir ao rititi, pensei “espero que a gaja tenha escrito um texto novo, espero que sim, espero bem que sim!”. Até abri os olhos a medo… já não podia mais com o título “o almodovar está velho!!!”. Por isso, alegria, grande alegria. Valeu a pena a espera. Venham mais! **

  • Rosi says:

    Seus textos são ótimos, adoro lê-los.

  • maria says:

    Rititi, um pedido:que tal escrever um post sobre a divina Saritíssima? Sou uma grande admiradora dela e fiquei muito triste ao saber que faleceu hoje.

  • hey says:

    You really make it appear really easy with your presentation however I to find this topic to be actually something that I think I would by no means understand. It kind of feels too complex and extremely huge for me. I am looking forward for your subsequent submit, I’ll attempt to get the cling of it!|

  • Leave a Reply

    Your email address will not be published. Required fields are marked *

    *

    You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>