Este site foi concebido para ser visto num browser dentro dos limites da caducidade: infelizmente não é o caso do seu. Assim, a sua experiência de navegação será seriamente afectada. Sugerimos a instalação de um browser mais séc. XXI, se lhe for possível: http://www.mozilla.com/firefox . Mas qualquer outro serve.

Rititi

Rititi

INÍCIO

  • Sempre

    Hoje, há quarenta anos, a história do meu Pai mudou para sempre. Depois desse 25 de Abril a preto e branco o meu pai soube da decepção, da vida no exílio, dos atentados, da impotência, da dor de não abraçar a mãe, das saudades do cheiro da terra. Morreu cedo demais para perceber porque pegou nesse tanque em Estremoz e tomou a PIDE, por que valeu a pena honrar com um golpe de estado toda uma geração perdida nas guinés e angolas que agora já ninguém recorda. A ele que um ano depois numa carta de duas folhas disse que assim não, que Portugal não merecia desperdiçar-se nas mãos de gananciosos e miseráveis aduladores da liberdade, deve ter-lhe custado assimilar o fracasso dos homens. E agora, neste meu país infestado de supostos patriotas, imbecis que adoram hinos, neste Portugal dele onde qualquer banco viola a bandeira para vender produtos financeiros, se estivesse vivo, rodeado de traidores que se enriqueceram vestidos de sindicalistas e meninos de papá que votam por sms no Salazar sem sonhar o que é viver numa ditadura e morrer na guerra, tenho a certeza que voltaria a pegar nesse tanque, honroso da farda. Quando releio essa carta, a da deserção de 75, a que nos levou a todos em viver em hotéis e a ter guarda-costas, vejo um homem digno, profundamente democrata e entregado ao País, que se levantou da cama e da burguesia para democratizar um Portugal analfabeto, mutilado em África, estupidificado pela solidão e o fado. O que aconteceu depois, a manipulação dessa ousadia, o roubo de terras e a estupidificação do povo faminto nada tem a ver com essa madrugada esperançosa.
    Por isso, se me repugna a apropriação da esquerda da luta pela liberdade mais ainda me enoja esta onda pós-moderna dos betinhos da direita, que ofende com o seu desprezo e falta de patriotismo estes homens, capitães e jovens, que num dia como hoje, há quarenta anos atrás, só quiseram um país melhor. 25 de Abril, para sempre não, mas hoje sim.
    (Re-post antigo)



    Por Rititi @ 2014/04/25 | 3 comentários »


    Não sou mulher para estar de baixa, está visto

    Quando uma mulher como eu chega a esta idade fabulosa – leia-se 39 anos – tem de começar a entender os seus limites físicos. Sobretudo depois de ter ingerido um determinado número de gins tónicos (e alguma que outra garrafa de vinho). Queridas amigas que andam pelos trinta e tais e que me consideram a gurua infalível do life-style de autocarro matinal, guardem para a vida estas sábias palavras: o álcool é incompatível com as coreografias das grandes divas do pop planetário. Mais ainda se se tenta imitar os passos do Bad Romance com um puto de 5 anos e meio que pensa que a mãe está nos píncaros do bacanismo às cavalitas. Lamentavelmente Lady Gaga é inimiga das articulações de uma senhora com pouco equilíbrio (e inexistente sentido do ridículo). Por isso desde o meu sofá vos escrevo, queridas leitoras, a gozar de uma linda baixa médica graças a um entorse no joelho e uma possível lesão do menisco, que pelos visto é uma cartilagem que habita sem meu consentimento dentro deste fabuloso corpo e que serve basicamente para me obrigar a estar paralisada com uma joelheira de neopreno que dá um calor do caralho. Depois querem que eu faça desporto, só se for para me foder toda de vez e ainda por cima sóbria. Não sou essa classe de mulher. Ainda estou em processo de classificação, é verdade, mas não esperem de mim que vista um fato de treino e ande com ele em público. Só me faltava mesmo era postar no blogue fotos de ténis, leggins e t-shirt, toda suada, numa meia maratona, rodeada de gente de boné e celulite nas ancas. Claro. Isso e beber sumos de erva, ou como quer que se chame aquela merda detox. Ou escrever textos com palavras como “inspiração matinal”, “acreditar”, “amor que me inunda”. Ou fazer workshops de auto-ajuda, já agora. Enfim, que dizia eu que estou aqui de perna estendida com o MacBook no colo em frente à televisão porque do que eu sim tenho a certeza é que sou essa classe de mulher que sabe aproveitar a baixa para ver programas de televisão escabrosos com supostos famosos que parecem saídos de puticlubes de estrada e que não têm onde cair mortos. Claro que para saber quem é a prima grávida da cunhada do terceiro concorrente expulso da séptima edição da Ilha dos Famosos é preciso calo, estômago e uma parte do cérebro carente de escrúpulos. Por sorte tenho isso tudo. E muito mais. Nestes momentos está a Aguasantas, uma sex-symbol de centro comercial de subúrbio maquilhada como uma porta e as mamas subidas até ao queixo, sentada numa espécie de trono (a partir de agora chamada “Tronista”) a tentar escolher entre meia dúzia de marmanjos que dizem ser heterossexuais apesar de não conseguirem esconder o ar de panascas-poliéster estilo primark, com direito a cabelinho à Cristiano, brinquinho e tatoo em língua exótica e com nomes como Ruben, Isaac, Ivan, Maikel, Angel ou Alessandro (aka os “Pretendentes”). Parece ser que a finalidade do programa em questão é encontrar o Amor e para isso “Tronista” e “Pretendentes” mostram o melhor de si (mamas, ambos os sexos), as suas aspirações vitais (há um futebolista de terceira regional B que quer jogar no Real Madrid, lógico), os seus sentimentos (em meia hora desta merda fartaram-se de sentir), o seu percurso profissional (como a prolífica carreira de gogó em discotecas gays de Albatece do Isaac) e o seu estilo de vida (putéfia e despojos sociais, em resumo). Para se conhecerem melhor combinam em jacuzzis e enrolam-se. No programa seguinte comentam o enrolanço e os sentimentos (lá está, só não sente quem não é filho de boa gente). Do melhor, obrigada. Que pena que se me acabe a baixa para semana. Porque eu até sou gaja para sentir empatia por estes seres desgraçados, conhecendo-me até era capaz de mandar SMS ao 2233 com a palavra Aguasantas seguida do meu “Pretendente” favorito (claramente o Ruben) e entrar no twitter com os hastag do programa e, porque não, chorar quando o Amor verdadeiro surgir, depois dos jacuzzis e das quecas nos motéis de má morte, e quem sabe indignar-me com os cornos do Ruben com a outra tronista de nome impronunciável. Foda-se, acho que o entorse se me está a subir ao cérebro. Amanhã acho que vou ver uma telenovela colombiana qualquer, só para subir o nível.



    Por Rititi @ 2014/04/09 | 10 comentários »